Testemunhas dão “bolo” em conselho

iG Minas Gerais |

Brasília. O Conselho de Ética da Câmara se reuniu ontem para ouvir as testemunhas de defesa do deputado André Vargas (sem partido-PR) que responde a um processo por quebra de decoro parlamentar no colegiado devido ao seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, acusado de um esquema bilionário de lavagem de dinheiro. No entanto, nenhum dos convidados a depor compareceu.  

De acordo com o advogado de defesa do deputado, Michel Saliba, o prefeito de Apucarana, no Paraná, Carlos Alberto Gebrim Preto, conhecido como Beto Preto, deveria depor mas informou, em cima da hora, que não iria mais à Câmara. Outras seis testemunhas indicadas por Vargas ainda poderão ser ouvidas na próxima reunião do conselho, marcada para o dia 15. Será o terceiro convite feito a elas.

Para o relator do processo, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), as ausências mostram que há uma clara intenção em protelar e adiar o andamento do caso de André Vargas no Conselho de Ética.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave