Distribuidoras de energia terão mais prazo para pagar

Empresas falam em “urgente aumento tarifário”

iG Minas Gerais |

‘Refresco’. Novo prazo para distribuidoras pagarem energia comprada no mercado é dia 31 de julho
CHARLES SILVA DUARTE / O TEMPO
‘Refresco’. Novo prazo para distribuidoras pagarem energia comprada no mercado é dia 31 de julho

Brasília. O diretor geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, confirmou que o órgão regulador vai adiar para 31 de julho o prazo para que as distribuidoras paguem a energia comprada no mercado de curto prazo. O prazo vencia nesta sexta-feira, dia 11.

Segundo Rufino, as concessionárias de distribuição vão ganhar mais tempo para pagar R$ 1,3 bilhão aos geradores. As despesas se referem à compra de energia no mês de maio, já que o pagamento é feito com dois meses de defasagem. O total do gasto dessas empresas atingiu R$ 1,9 bilhão, mas R$ 600 milhões estão cobertos pela tarifa de energia cobrada do consumidor e não serão alvo do adiamento. A expectativa do governo é encontrar uma solução definitiva para o problema financeiro das distribuidoras até o fim do mês. A principal alternativa em estudo é a extensão do empréstimo bancário firmado com um consórcio de bancos e intermediado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O adiamento do prazo de pagamento tem como objetivo evitar uma inadimplência generalizada no setor elétrico e uma série de ações judiciais por parte das distribuidoras. A mudança é uma indicação de que a União deve anunciar mais medidas de ajuda ao setor, com o objetivo de impedir um reajuste adicional na conta de luz neste ano. Para pagar os gastos das distribuidoras com a energia mais cara do mercado livre, as empresas tiveram até o mês passado um empréstimo de R$ 11,2 bilhões, firmado com um consórcio de bancos e intermediado pela CCEE.Mas o financiamento, previsto para bancar despesas do ano inteiro, foi suficiente apenas para honrar as obrigações até o mês de abril. Neste ano, o Tesouro aportou R$ 4 bilhões à CDE. Além disso, R$ 9 bilhões do Orçamento foram reservados para o fundo. Ao longo do ano passado, o Tesouro transferiu R$ 9,8 bilhões ao setor elétrico. Em ofício enviado ao Ministério de Minas e Energia, as distribuidoras afirmam que o fim do empréstimo de R$ 11,2 bilhões antes do tempo previsto “demandará urgente aumento tarifário”, de forma a oferecer “sinal de preço mais adequado aos consumidores finais”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave