Romario culpa CBF por goleada e chama cartola de ladrões

Desafeto público da entidade que rege futebol brasileiro, ex-jogador associa vexame à gestão e dispara críticas contra organizadores da Copa

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Site oficial/Divulgação
undefined

O ex-jogador Romario não deixou passar em branco a goleada sofrida pela seleção brasileira. Entre uma série de críticas, o atual deputado não jogou a responsabilidade nos jogadores, mas disse que o futebol brasileiro chegou a uma crise, e que o placar elástico pode ser explicado pelo mérito da Alemanha e da falta de atitude brasileira.

“Jogamos muito mal. Infelizmente, levamos sete e, por mais que isso cause mal-estar, devemos admitir que a chuva de gols foi apenas reflexo do pânico, da incapacidade de reação dos nossos jogadores e da falta de atitude do treinador de mudar o time. Vivemos uma crise no nosso esporte mais amado, chegamos ao auge dela. Acha que isso é problema só dos jogadores ou do Felipão? Nem de longe”, diz ele.

Desafeto público dos cartolas da CBF e dos organizadores da Copa, o falastrão não perdeu a oportunidade de alfinetar a entidade que rege a modalidade no Brasil e voltou a dizer, com todas as letras, que são “corruptos” e "ladrões".

“Nosso futebol vem se deteriorando há anos, sendo sugado por cartolas que não têm talento para fazer sequer uma embaixadinha. Ficam dos seus camarotes de luxo nos estádios brindando os milhões que entram em suas contas. Um bando de ladrões, corruptos e quadrilheiros!”, disparou Romario.

Em outro momento de seu longo texto, que reprova inúmeras vezes o papel da CBF junto aos clubes que disputam o Campeonato Brasileiro, ele chega a relembrar o soco de Rodrigo Paiva em um jogador do Chile, no Mineirão, durante o intervalo das oitavas, e diz que atitude define o estilo da organização.

“Exceto por um vexame como o de ontem, o Brasil não precisaria se envergonhar de uma derrota em campo, afinal, derrotas fazem parte do esporte. Mas vergonha mesmo devemos sentir de ter uma das gestões de futebol mais corruptas do mundo. A arrogância dessa entidade é tão grande que até o chefe da assessoria de imprensa chega ao absurdo de bater em um atleta de outra seleção, como fez o Rodrigo Paiva contra um jogador do Chile Pinilla. Paiva pegou quatro jogos de suspensão e foi proibido de acessar o vestiário dos jogadores. Este ato foi muito simbólico e diz muito sobre eles”, criticou.