Menino de 7 anos chicoteado pela mãe em MG foi morto por enforcamento

Laudo da necrópsia também apontou que criança foi queimada por ferro quente; com isso, suspeita e padrasto passam a responder, além de tortura, por homicídio duplamente qualificado

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Menino foi agredido com chicote usado em cavalo
Reprodução / Super Canal
Menino foi agredido com chicote usado em cavalo

O menino de 7 anos que foi chicoteado pela mãe em Santa Bárbara do Leste, no Vale do Rio Doce, foi morto por enforcamento. O inquérito foi encerrado e encaminhado à Justiça nessa terça-feira (8). Com isso, além do crime de tortura, a mulher e o marido, padrasto da vítima, passam a responder por homicídio duplamente qualificado.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Luiz Eduardo Moura Gomes, o laudo de necrópsia apontou asfixia mecânica. “Além das agressões com o chicote e da esganadura, ficou constatado que João Paulo Camilo foi queimado, provavelmente por um ferro quente. A vítima apresentava várias queimaduras de terceiro grau pelo corpo”, contou o delegado.

Ainda de acordo com Gomes, com essas informações, as investigações tomam um novo rumo. “Diferente do que foi levantado no começo do caso, agora sabemos que eles não tinham a intenção só de torturar e, sim, de matar”, destacou.

Com isso, Josina Concebida Moysés, de 36 anos, e José Mateus da Silva, de 35, além de responderem pela tortura de João Paulo e dos seus irmãos de 3 e 4 anos, também foram indiciados por homicídio com as qualificadoras de motivo fútil e asfixia mecânica e ocultação de cadáver. Somada, a pena pode chegar a 91 anos de prisão.

Relembre o caso

O corpo de João Paulo foi encontrado no dia 30 de junho deste ano às margens da BR-116. A princípio, Josina havia dito aos familiares paternos da criança que o filho havia fugido de casa. Ela e o marido foram presos depois que os irmãos da vítima foram encontrados dentro da casa com várias agressões pelo corpo.

Já na delegacia, a mulher confessou que havia agredido os filhos com chicote usado em cavalo. As agressões teriam acontecido porque as crianças abriam a geladeira sem o consentimento dos adultos e urinavam na cama.

O casal ainda confessou que, ao perceber que a criança estava morta, resolveu abandonar o corpo na rodovia. Já os outros meninos foram internados em um hospital de Caratinga.

Segundo a conselheira tutelar de Santa Bárbara do Leste, Eliana Teixeira Gonçalves, as crianças ainda recebem atendimento médico e, quando liberadas, serão entregues provisoriamente para o tio materno. 

Leia tudo sobre: espancamentofilhosanta bárbara do lestechicote