Fugindo de polêmicas, Willian lamenta passividade brasileira

Como em uma luta de boxe, o Brasil foi atingido por uma saraivada de golpes e não teve tempo de reação; uma passividade jamais vista na história do futebol brasileiro

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Willian no lugar de Neymar seria escolha ofensiva
ALEXANDRE LOUREIRO / VIPCOMM
Willian no lugar de Neymar seria escolha ofensiva

Ele foi uma das surpresas da lista de Luiz Felipe Scolari para a Copa. Suas boas atuações no Chelsea lhe renderam o status de jogador que poderia solucionar o ócio criativo do meio-campo brasileiro, mas Willian teve poucas oportunidades e acabou entrando em campo nos minutos finais do maior vexame da seleção em Mundiais - a goleada por 7 a 1 sobre a Alemanha, no Mineirão, pela semifinal da Copa do Mundo no Brasil. 

“As chances que eu tive, procurei fazer o meu melhor", apontou o jogador, sem render polêmicas pelo fato de não ter sido o escolhido para substituir Neymar na partida dessa terça-feira. "Foi um dia inexplicável para todos nós, onde tudo deu certo para a Alemanha, e tudo deu errado para o Brasil”, disse.

Como em uma luta de boxe, o Brasil foi atingido por uma saraivada de golpes e não teve tempo de reação. Uma passividade jamais vista na história do futebol brasileiro. “Tomamos um gol atrás do outro, quatro em nove minutos. Reverter um resultado deste depois é muito difícil”, apontou Willian.

Para evitar um vexame maior. Na saída do intervalo, o placar apontava 5 a 0 para a Alemanha. E aí? O que falar nos vestiários do Mineirão? Willian revelou a mensagem de Felipão.

“Ele tentou manter a tranquilidade do grupo. Pediu que a gente continuasse jogando, que precisávamos correr até o final. O Felipão deixou claro que precisávamos honrar a camisa da seleção”, concluiu.