Bebedeira pós-ioga é a nova moda de socialização nos EUA

Modalidade, que começou há mais de dois anos, inclui aulas em destilaria

iG Minas Gerais | Stephen Krcmar |

Prática. Rob Rice, professor de ioga, realiza aulas em cervejaria
Stephanie Diani/The New York Times
Prática. Rob Rice, professor de ioga, realiza aulas em cervejaria

Nova York, EUA. Um chef de cozinha, 24 iogues e um cachorro entram num bar art déco. São 10h30 de um domingo recente, e a maioria dos alunos acabou uma corrida de 3,7 km pelo centro de Los Angeles, liderados pelo mestre-cuca Rob Rice, professor de ioga.

Rice põe para tocar sua mais recente lista de músicas Detox Retox e orienta a turma durante uma série de saudações ao Sol, incluindo algumas posições do cachorro, deixando envergonhado o cão quando os iogues humanos completam o movimento com perfeição.

Noventa minutos depois, a aula para iniciantes e intermediários chega ao fim. Porém, em vez da despedida tradicional de “namastê e tchau”, Rice estende a gratidão aos alunos de sua aula inaugural na cervejaria Angel City, que acompanha o sucesso de um ano do Detox Retox com uma aula de sábado na Golden Road, cervejaria vizinha.

Dez minutos depois, a maioria dos participantes pagou o valor de US$ 10 (R$ 22) e trocou o cupom da bebida por uma cerveja no bar.

O Detox Retox faz parte de uma tendência crescente de ioga com cerveja após a prática da atividade. Essas aulas, muitas vezes realizadas em cervejarias, estão se espalhando pelos Estados Unidos, e algumas têm nomes bem-humorados como Ioga Happy Hour com Joe Sixpack (Zé seis latinhas, em tradução literal), na Filadélfia, BrewAsanas (cerveja e asanas) no Colorado (em Boulder e Denver) e Três Folhas para a Posição do Guerreiro, em Wilmington, em Delaware.

Origem. A tendência começou dois anos e meio atrás em Charleston, na Carolina do Sul, com Beth Cosi, funcionária de restaurante que virou professora de ioga. Beth costumava convidar os amigos para fazer suas aulas, mas poucos iam ao estúdio. Após entrar em contato com uma cervejaria local, ela estendeu o convite a amigos que não praticavam ioga para participar de uma aula para iniciantes com uma degustação de cerveja no final.

Beth, cujos amigos apareceram, aprendeu que a cerveja é um chamariz eficiente. “A maior surpresa é como isso ganhou vida própria”, ela disse. “Nunca imaginei que essas aulas ficariam maiores do que a cervejaria, a Holy City, e precisassem mudar para outra”.

As turmas da ioga com cerveja costumam ter mais de 50 alunos, assim Beth acrescentou um assistente à aula mais popular no maior estúdio de Charleston. Há pouco tempo, ela completou uma turma em uma destilaria.

A cerveja ao término da aula adiciona um elemento social à ioga. “O maior componente é a conexão: eles têm permissão para curtir, ficar juntos. As pessoas conversam e riem. É muito social. Tem tudo a ver com a comunidade. A ioga é secundária. É uma forma de unir as pessoas”.

Desempenho

Sexo. Há pesquisas que afirmam que mulheres que praticam ioga melhoram o desejo sexual e os orgasmos. Além disso, a prática pode ajudar homens com problemas de ejaculação precoce.

Puristas não aprovam ideia de ligar o álcool à prática milenar Nova York. Puristas não veem com bons olhos o acréscimo do álcool à antiga prática da ioga. O Ashtanga Yoga Boston afirma em seu site: “Nós consideramos o consumo de álcool tanto um agente tóxico quanto um veneno, inconsistente com a prática da ioga Ashtanga. Esperamos que todos os estudantes façam um esforço de boa-fé para reduzir ao mínimo e, idealmente, cortar o consumo de álcool enquanto estejam matriculados em nossa escola”. Rhonda Hobgood, proprietária do Room Yoga disse que “depende do objetivo da pessoa”. “Se a sua meta é viver o estilo de vida da ioga, juntar essas duas coisas não combina”. “Se estiver bebendo, você se afasta daquele processo tão sutil de fazer o ajuste fino da sua consciência. A prática da ioga é justamente o contrário de fugir de si mesmo. O ideal é se dedicar integralmente a tudo que vivenciamos”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave