Argentina quer triunfo no dia em que festeja 198 anos de independência

Messi e companhia esperam obter a classificação para a decisão da Copa do Mundo a fim de homenagear o povo de seu país

iG Minas Gerais | FERNANDO ALMEIDA E THIAGO PRATA |

São Paulo (SP). A Holanda será um osso duro de roer. A defesa sólida e o ataque devastador, com Sneijder, Robben e Van Persie, preocupam bastante a Argentina. Mas os hermanos esbanjam confiança. Tanto é que resolveram tirar a palavra ‘derrota’ do vocabulário deles. Ao menos, nesta quarta-feira. Os albicelestes não querem manchar, com uma eliminação, uma data tão importante para a história do país.

O dia 9 de julho de 1816 é considerado o da Independência da Argentina – o processo se iniciou em 25 de maio de 1810, outra data festiva para os vizinhos brasileiros. Por isso, 198 anos depois, Messi e companhia querem dar um presente e tanto a todos os argentinos, no que pode ser uma comemoração dupla.

“É o aniversário da Independência da pátria. Vamos fazer o que sempre fizemos, trabalhando com seriedade, com sentido de pertencer à pátria. Vai ganhar quem tiver menos erros”, afirmou o técnico argentino, Alejandro Sabella.

Mas os ‘pibes de Sabella’ não se restringirão a 11 homens dentro de campo. Das cadeiras da Arena Corinthians, um esquadrão está preparado para ajudar os guerreiros argentinos rumo a um triunfo marcante. Algo que o Brasil não conseguiu nesta terça-feira.

“É bom ter os nossos torcedores aqui, os apaixonados pelo futebol. Sempre houve uma rivalidade entre Brasil e Argentina. Isso é normal. Aqui na América do Sul, quando se tem jogos clássicos, são questões culturais. Nada mais do que isso”, comparou o treinador.

Resta saber se os argentinos irão fazer do estádio em território paulista, sua casa nesta quarta-feira, como se deu no duelo das oitavas de final, contra a Suíça. Ou será que a Laranja é quem vai rir por último?

“Eu não sei quem vai sentir mais em casa. A Holanda tem um técnico muito importante. Há pouco, ele (Van Gaal) disse que pode jogar de diferentes formas. Ele é habilidoso em mudar o esquema tático”, ressaltou Sabella.

Leia tudo sobre: ArgentinaAlemanha