Na Fan Fest, empolgação dá lugar á frustração

Torcedores começaram a ir embora ainda no primeiro tempo; em Contagem, um único brasileiro vibrava a cada gol da Alemanha

iG Minas Gerais | Diego Costa / Lohanna Lima |

Webréporter
undefined

A festa no Expominas começou bem antes de a bola rolar nesta terça-feira (8), no Mineirão. Desde as primeiras horas da tarde, torcedores já lotavam a Fan Fest. Mais de 21 mil pessoas chegavam em clima de empolgação e confiança. Mas, com a mesma rapidez que tiveram de ir para garantir um lugar no espaço – talvez maior – a euforia foi dando vazão à decepção com o massacre sofrido pela seleção brasileira para a Alemanha.

Assim como em outros dias, o público lotou o ponto de concentração de torcedores durante os jogos da Copa do Mundo. A servidora pública Suellen de Paiva saiu cedo de casa para ir à Fan Fest. Esperava um jogo difícil.

"Cheguei às 13h para ver o jogo e ficarei até o evento acabar. Eu acho que a partida será 2 a 1 para o Brasil, com um gol do David Luiz", disse Suellen. A expectativa dela era o da maioria dos torcedores, um duelo difícil, muita emoção e um placar apertado. Mas a confiança na classificação à decisão era grande.

Ate a execução do hino nacional, os primeiros minutos de jogo, as pessoas acompanharam o jogo de pé. Mas elas foram se sentando a medida que os gols saíam no Mineirão. Já no fim dos primeiro tempo, a goleada por 5 a 0, muitos já deixavam o local, incrédulos do que estava acontecendo.

Ao fim do jogo, o vexame por 7 a 1 diante dos alemães gerou revolta nos mineiros. É o caso do analista de sistemas, Olinto Cota. "A decepção é muito grande. Até poderia perder o jogo por 1 a 0, nos pênaltis, mas não desse jeito. Uma vergonha. 5 a 0 só no primeiro tempo é para morrer", declarou.

O auxiliar de serviços gerais Cláudio Figueiredo também lamentou a queda brasileira justamente em Belo Horizonte. "Vai entrar para a história. Nem os mais pessimistas pensariam que isso poderia acontecer. Deixa a pátria com o orgulho ferido, o coração. 8 a 1 doeu demais", disse o torcedor, quem até perdeu a conta do placar final de jogo. 

Em Contagem

A torcida começou a chegar à escadaria da Igreja São Gonçalo, em Contagem, faltando quase duas horas para o início do jogo.

E, se os milhares de torcedores não acreditavam no placar para a Alemanha ainda no primeiro tempo, um único torcedor comemorava, aos gritos, do outro lado da rua, cada gol dos alemães.

Vestido com a camisa da Alemanha, Paulo Augusto Raposo torce contra a seleção brasileira desde 2002. "Queria que Brasil e Argentina se enfrentassem nessa semi e que a seleção brasileira fosse eliminada por eles".

Por não concordar com algumas atitudes da CBF, e acreditar que a entidade interfere diretamente na lista de convocados da seleção, o atendente diz não conseguir ter simpatia pela equipe verde e amarela. "Quando comecei a ter um pouco mais de conhecimento de futebol, parei de torcer. Torço para o Chile e para Colômbia nos últimos dois jogos. Pedi minha esposa para comprar a camisa dos alemães hoje pra mim", debocha.

Insatisfeita, a esposa Diana Raposo, tenta, em vão, controlar Paulo. "O problema todo é que ele grita e seca demais o Brasil.  Falei que ele não ia vir comigo vestido com essa camisa, mas ele não me ouve", diverte-se Diana.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave