Pacientes do Hospital Municipal de Ibirité aguardam 8h por atendimento

Funcionários da unidade hospitalar informaram que há uma sobrecarga por conta dos postos de saúde estarem fechados

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Família afirma que ambulância chegou 20 minutos após criança nascer sem assistência adequada, em Ibirité
REPRODUÇÃO STREETVIEW
Família afirma que ambulância chegou 20 minutos após criança nascer sem assistência adequada, em Ibirité

Enquanto Belo Horizonte se prepara para assistir a partida entre Brasil e Alemanha pela semifinal da Copa do Mundo, pacientes estão há mais de oito horas esperando atendimento médico no Hospital Municipal de Ibirité, na região metropolitana de Belo Horizonte. Entre os pacientes que ainda não foram atendidos, estão uma mulher com suspeita de aborto e uma senhora de 70 anos que acompanha o filho portador de necessidades especiais. 

Segundo a auxiliar dos serviços gerais Deisemar Costa, de 26 anos, ela chegou por volta das 10h, passou pela triagem e até 16h20 ainda não havia sido atendida. "Eu acho que estou tendo um aborto. Passei na maternidade e mandaram eu procurar o pronto atendimento para fazer exame de sangue. Na triagem falaram para eu esperar o médico e até agora nada", reclamou. 

Segundo a mulher, uma senhora de cadeira de rodas, um rapaz com a perna provavelmente quebrada e vários outros pacientes estão aguardando a horas sem nenhuma resposta. "Já vimos duas pessoas saírem mortas lá de dentro e nada da gente ser atendido. É muito descaso, as pessoas doentes e ainda são forçadas a ficar aqui, sem almoçar nem nada", protesta Deisemar. Ela afirma ter acionado a Polícia Militar (PM), mas foi informada que, como já passou pela triagem, nada poderia ser feito. 

Uma aposentada de 69 anos, que preferiu não se identificar, também entrou em contato com O TEMPO. "Meu filho, de 40 anos, é portador de necessidades especiais. Ele desmaiou a noite toda e, como não consegue falar onde dói, não tenho nem ideia do que ele tem", reclamou. Ela chegou com o filho às 9h30, passaram pela triagem e até 16h30 não haviam sido atendidos.    A senhora afirma que várias pessoas que passaram pela triagem depois dela já foram atendidos, enquanto ela continua lá sem almoço. "Falaram que não sabem que horas vão me atender, não dão nenhuma resposta. Saíram todo mundo para almoçar, voltaram duas horas e chamaram cinco pessoas. Desde então estamos aguardando e nada", afirmou.    Sobrecarga   Em contato com o Hospital Municipal de Ibirité, a reportagem foi informado de que a unidade está funcionando normalmente. Porém, segundo a enfermeira identificada apenas como Nazaré, como os postos de saúde não estão funcionando nesta terça-feira há uma sobrecarga na unidade de saúde.    "Estamos atendendo dentro da medida do possível. Todos os pacientes que estão aqui foram avaliados e reavaliados e serão atendidos quando possível", disse a enfermeira. O TEMPO tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Ibirité e do hospital, porém, por conta do jogo do Brasil, ninguém foi encontrado.