Polícia Federal apresenta balanço das ações realizadas durante a Copa

Detalhes das diversas operações desempenhadas pela corporação durante o evento esportivo serão apresentadas nesta quarta-feira (9)

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Varredura aconteceu nesta sexta-feira (13)
PF/Divulgação
Varredura aconteceu nesta sexta-feira (13)

Acontece nesta quarta-feira (9) na Superintendência de Polícia Federal (PF) em Minas Gerais, no Gutierrez, na região Oeste de Belo Horizonte, uma coletiva para apresentar um balanço geral dos trabalhos realizados pela corporação durante a Copa do Mundo de 2014. O evento está marcado para as 14h30 e contará com a presença do Coordenador Regional de Grandes Eventos da PF, delegado Alexandre Leão.

A corporação já aproveitou para adiantar alguns dos números das ações. O Grupo Bombas e Explosivos/Grupo de Vistorias, realizaram vistorias antibombas em cerca de 150 veículos, como ônibus das delegações e carros que transportaram figuras importantes que visitaram a capital durante a competição. O grupo também fez vistorias prediais em 300 edifícios, hotéis e no próprio Mineirão. 

Durante o evento esportivo, a PF foi acionada quatro vezes para verificar artefatos suspeitos no aeroporto, veículos e hotel, sendo que em todos os casos o resultado foi negativo para artefatos explosivos. 

Outro ponto destacado pela corporação foi a Representação da Interpol em Minas Gerais que, juntamente com policiais federais brasileiros e estrangeiros, prestou apoio logístico a todas as delegações de policiais estrangeiros que atuaram no Estado. Durante a competição, foram identificados 19 torcedores estrangeiros em situação suspeita no estádio, sendo que dois argentinos foram autuados e notificados a deixar o país por estarem na lista dos "Barras-Bravas". 

Foram identificados também 10 policiais "carabineros" chilenos no Mineirão, usando farda dentro do estádio sem estarem vinculados ao Centro de Cooperação Policial Internacional (CCPI). Estes militares foram expulsos do estádio para que retornassem ao jogo na condição de torcedores, sem estarem fardados, uma vez que possuíam ingressos cedidos pela polícia chilena. 

Segurança

Durante o período da Copa, policiais especialmente treinados realizaram mais de 70 deslocamentos em comboio, entre treinamentos, reconhecimento de rotas e efetivo transporte de delegações e autoridades. Foram escoltadas 12 delegações (Argentina, Argélia, Bélgica, Costa Rica, Brasil, Irã, Inglaterra, Chile, Uruguai, Grécia, Colômbia e Alemanha).

A PF também atuou no comboio de nove autoridades estrangeiras e nacionais – Príncipe Harry, Ministro dos Esportes, Ministro da Saúde, Ministro da Justiça, Presidente do Gabão, Presidente e Secretário-Geral da Federação Internacional de Futebol (FIFA).

No aeroporto, o trabalho conjunto entre com a Representação da Interpol em Minas evitou o embarque, na Argentina, de quatro torcedores listados como Barras Bravas. Nos dias de jogos pela Copa houve um aumento considerável de entradas/saídas de estrangeiros no Aeroporto de Confins. Foram 6326 entradas e 3123 saídas.