Suspeito de liderar máfia de ingressos vai continuar a trabalhar

Match Services, empresa associada à Fifa, confirmou que o diretor-executivo Raymond Whelan permanecerá no cargo, mesmo após ter sido preso

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A Match Services, empresa associada à Fifa, confirmou que o diretor-executivo Raymond Whelan permanecerá no cargo, mesmo após ele ter sido preso - e posteriormente solto - sob a acusação de liderar uma quadrilha internacional de venda ilegal de ingressos para a Copa do Mundo.

O anúncio foi feito em um comunicado da empresa, única autorizada pela Fifa a comercializar ingressos aliados a pacotes de hospedagem para jogos no Mundial, na manhã desta terça-feira (8).

"Ray Whelan foi liberado da custódia policial e irá auxiliar a polícia durante o inquérito. A Match tem completa fé de que os fatos irão estabelecer que ele não violou qualquer lei", diz o comunicado.

"A Match continuará a apoiar totalmente todas as investigações policiais, as quais acreditamos que irão exonerar Ray completamente. Enquanto isso, Ray Whelan e todos os colaboradores da Match irão continuar a trabalhar em nossas áreas operacionais para entregar uma Copa do Mundo de sucesso", completa o comunicado assinado pelo assessor de imprensa Andreas Herren.

Whelan passou os últimos dois anos no Brasil. De hotel em hotel, vendia pacotes VIP e observava quais hotéis atendiam critérios para credenciamento como acomodações oficiais.

Ele trabalhava oficialmente pela Match, mas em questões de interesse da Fifa, sua parceira comercial.

 

 

Leia tudo sobre: match servicesfifaraymond whelanray whelan