A voz Celeste

iG Minas Gerais |

Como venho falando, agora começou a Copa das Copas. Hoje o Brasil tem uma batalha árdua pela frente, a Alemanha. O palco é o Mineirão, onde o maior de Minas tem tantas glórias registradas. Emprestamos nossa casa para a seleção brasileira e, com certeza, nossos guerreiros não vão decepcionar. Sem Neymar, quem entrar em campo vai se superar – o brasileiro tem muito dessas coisas: somos guerreiros por natureza, desde a hora em que nascemos, temos que matar um leão a cada dia. Sou Cruzeiro, mineiro e brasileiro, não desisto nunca! O Brasil leva uma grande vantagem no retrospecto com a seleção alemã, e falo mais: jogando em casa, somos favoritos. Com a Copa na reta final, o Cruzeiro encerrou sua intertemporada nos Estados Unidos e volta para casa com um saldo positivo de cinco vitórias. No ultimo, jogo contra o Chivas, vencemos por 2 a 0.  Avacoelhada O meio de campo do América teve pouca capacidade de criação no primeiro tempo contra o Villa Nova. Leandro Guerreiro é o típico camisa 5, com a função de proteger a zaga. Andrei tem potencial, mas ainda oscila bons e maus momentos. Precisa ser mais produtivo na marcação e eficiente nos passes e finalizações. Principalmente aumentar a velocidade na saída de bola e reposicionamento. Doriva também desarma pouco e não é especialista na armação. Mancini deve jogar ao lado de outro meia para dividir a responsabilidade de comandar o ritmo do jogo. Na segunda etapa do amistoso, a criatividade aumentou com o uso do mesmo esquema utilizado contra o Joinville: dois volantes, três meias-atacantes e um centroavante. Willians fez assistência para o primeiro gol e sofreu o pênalti do segundo. Rodrigo Starling elogiou o desempenho do Júnior Lemos.

 

A voz da Massa Saudações alvinegras! O Galão está na Argentina se preparando pra a final da Recopa, daqui a oito dias. Tá chegando! E por aqui, no Mineirão, nosso salão de festas, a seleção busca hoje uma vaga na final, contra a tradicionalíssima Alemanha. Felipão, no último treino tático, ontem, testou pelo menos seis formações diferentes. Mas ninguém se engane, isso é só para dar um “migué” nos alemães. Ele já tem em mente o time que vai a campo hoje, e eu posso apostar que deve escalar Dante na vaga de Thiago Silva, e trazer de volta Luiz Gustavo na vaga de Neymar, desse modo, jogando com três volantes e o meio de campo todo povoado. E eu, como sou um dos 200 milhões de técnicos brasileiros, dou o meu pitaco: colocaria Bernard na vaga de Neymar e trocaria o inerte Fred por Jô, formando assim o genial ataque do Galo, que bombou no ano passado. Seria bater e valer.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave