Um lado da balança vai pender mais que o outro

Hoje, a partir das 17h, ficará a expectativa sobre qual das seleções pesará mais na balança chamada “Mineirão”

iG Minas Gerais | Thiago Prata e Gabriel Pazini* |

FENÔMENO. Em 2006, na Alemanha, Ronaldo se tornou o primeiro jogador da história do futebol a alcançar a marca de 15 gols em disputas de Copa do Mundo
Fernando Llano/AP PHOTO – 27.6.2006
FENÔMENO. Em 2006, na Alemanha, Ronaldo se tornou o primeiro jogador da história do futebol a alcançar a marca de 15 gols em disputas de Copa do Mundo

Pode até parecer clichê, batido ou mesmo antiquado. Mas, quando vemos Brasil e Alemanha, duas das maiores potências da história do futebol medindo forças numa das semifinais desta Copa do Mundo, e que o outro duelo desta fase é entre as também tradicionais e fortíssimas seleções da Argentina e da Holanda, fica difícil não dizer que na hora H a camisa pesa. E pesa mesmo. Hoje, a partir das 17h, ficará a expectativa sobre qual delas pesará mais na balança chamada “Mineirão”.

De um lado, o poder de um uniforme verde e amarelo, maior campeão dos Mundiais, com cinco conquistas – 1958, 1962, 1970, 1994 e 2002 –, dois vices – 1950 e 1998 – e que esteve presente em todas as 20 edições da mais importante competição de futebol do planeta. Do outro, a força de um traje branco e preto, dono de três títulos – 1954, 1974 e 1990 –, quatro vices – 1966, 1982, 1986 e 2002 – e que participou de 18 Copas – só ficou fora nos anos de 1930 e 1950.

Os dois combinados são também aqueles que mais estiveram presentes entre os quatro primeiros colocados em edições de Mundial: os alemães estiveram no Big Four 13 vezes, contra 11 dos tupiniquins.

E não para por aí. Ao longo dos 84 anos do torneio, Brasil e Alemanha mostraram com vários números por que são respeitados em todos os cantos do mundo e tão temidos mesmo quando não jogam o fino da bola.

Os germânicos já disputaram 104 jogos, tendo obtido 64 vitórias, 20 empates e 20 derrotas. A Nationalelf balançou as redes 216 vezes e levou 120 gols. Os maiores artilheiros do time na história são Klose, autor de 15 tentos, e Gerd Müller, com 14.

Já os brasileiros participaram de 102 duelos, com uma campanha de 70 triunfos, 17 empates e 15 reveses. Ao todo, a equipe verde-amarela anotou 220 tentos e sofreu 92. Os principais goleadores brasucas são Ronaldo Fenômeno, que, assim como Klose, fez 15 tentos, e o Rei Pelé, com 12 gols.

Nesta Copa do Mundo, ambos fizeram valer o status de cabeças de chave ao encerrarem a primeira fase como líderes de seus respectivos grupos e com desempenhos iguais: os dois times conseguiram sete pontos – frutos de duas vitórias e um empate, cada –, marcaram sete gols e levaram dois gols.

Depois disso, passaram sufoco para chegar às semifinais. Nas oitavas, a Alemanha precisou da prorrogação para bater a Argélia por 2 a 1. O drama do Brasil foi maior. Após empate em 1 a 1 com o Chile no tempo normal e o 0 a 0 no tempo extra, o time levou a melhor na disputa de pênaltis por 3 a 2. Nas quartas de final, a equipe canarinho teve dificuldades para ganhar da Colômbia, pelo placar de 2 a 1, enquanto os alemães superaram a França por 1 a 0. E agora, quem será o fiel da balança num confronto entre gigantes? A resposta será conhecida hoje, no Gigante da Pampulha.

*Com supervisão de Denner Taylor

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave