Investidor vende ações para embolsar lucro e Bolsa fecha no vermelho

As ações preferenciais (sem direito a voto) da Petrobras perderam 1,26% (a R$ 17,28 cada); já os papéis preferenciais da Vale cederam 0,72% (a R$ 27,66 cada)

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O principal índice da Bolsa brasileira fechou esta segunda-feira (7) em queda, com investidores aproveitando o dia para vender ações e embolsar lucros em uma semana que será mais curta devido ao jogo entre Brasil e Alemanha pelas semifinais da Copa do Mundo, amanhã, e ao feriado da Revolução Constitucionalista de 1932, em São Paulo, na quarta.

A queda do Ibovespa foi de 0,47%, para 53.801 pontos.

"A gente terá, na quarta-feira, a ata da última reunião do Fomc [comitê de política monetária do banco central americano]. É um dia com feriado em São Paulo, e a Bolsa brasileira estará fechada. Se os mercados externos reagirem com queda, os investidores daqui terão perda na abertura da BM&FBovespa na quinta. Para se proteger disso, venderam seus papéis hoje", diz Alexandre Wolwacz, diretor da escola de investimentos Leandro & Stormer.

As ações preferenciais (sem direito a voto) da Petrobras perderam 1,26% (a R$ 17,28 cada). Em nota divulgada no fim de semana, a petroleira disse que a possível interrupção de contratos em vigor com a SBM Offshore poderia ter impacto de US$ 15 bilhões no lucro líquido da companhia entre 2014 e 2018. A empresa enfatizou, no entanto, que a avaliação foi hipotética.

Já os papéis preferenciais da Vale cederam 0,72% (a R$ 27,66 cada). Essas ações têm oscilado bastante nas últimas semanas, com o mercado de olho na variação dos preços do minério de ferro negociados no mercado chinês.

"O mercado deu uma puxada nos últimos dias. Papéis importantes subiram fortemente. Apenas a ação preferencial da Vale avançou 11% nos últimos dez dias. Isso contribui também para estimular os investidores a vender ações e embolsar lucros", completa Wolwacz.

Sem grandes referências na agenda de indicadores doméstica e internacional, os investidores digeriram a pesquisa Focus, do Banco Central. Nela, o mercado reduziu pela sexta semana consecutiva sua expectativa para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro neste ano. Economistas de instituições financeiras agora veem expansão de 1,07% da da economia em 2014, contra 1,10% na semana anterior.

As empresas do setor elétrico estiveram entre as maiores altas do Ibovespa no dia, guiadas pelos papéis ordinários (com direito a voto) da Eletrobras e pela Light.

"Essas empresas ainda refletem positivamente alguns reajustes de tarifas que têm sido liberados pela Aneel [agência reguladora do setor elétrico] e a perspectiva de maior volume de chuvas no país, o que afasta a hipótese de racionamento de energia", diz Carlos Müller, analista-chefe da Geral Investimentos.

Para Müller, pesou negativamente o desempenho da Bovespa hoje o mau humor visto nos mercados internacionais. Na Europa, por exemplo, os principais índices caíram mais de 1% diante da contração de 1,8% na produção industrial da Alemanha, principal economia da zona do euro, em maio. Foi a maior queda em mais de dois anos, contrariando expectativa de analistas, que previam estabilidade ao índice no período.

CÂMBIO

No câmbio, o dólar à vista, referência no mercado financeiro, teve valorização de 0,48% sobre o real, cotado em R$ 2,223 na venda. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, avançou 0,36%, a R$ 2,224.

O Banco Central deu continuidade ao seu programa de intervenções diárias no câmbio, através do leilão de 4 mil contratos de swap (operação que equivale a uma venda futura de dólares), pelo total de US$ 199 milhões.

A autoridade promoveu ainda um novo leilão para rolar 7 mil contratos de swap que vencem em 1º de agosto, por US$ 346,8 milhões. Até o momento, o BC já rolou cerca de 11% do lote total que vence no primeiro dia do mês que vem.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave