Polícia do Rio prende chefe do esquema de venda ilegal de ingressos

Ray Whelan é diretor executivo de empresa autorizada pela Fifa a vender bilhetes e camarotes da Copa

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Grupo chegava a faturar R$ 1 milhão por jogo da Copa do Mundo com a venda de ingressos
POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/DIVULGAÇÃO
Grupo chegava a faturar R$ 1 milhão por jogo da Copa do Mundo com a venda de ingressos

A polícia do Rio prendeu, na tarde desta segunda (7), no hotel Copacabana Palace, o britânico Ray Whelan, diretor executivo da Match, única empresa autorizada pela Fifa para venda de pacotes de ingressos e camarotes da Copa.

Segundo a polícia, Whelan seria o chefe do esquema milionário de venda ilegal de ingressos da Copa, pelo qual já foram presas 11 pessoas na última terça (1º).

O delegado responsável pela investigação, Fabio Barucke, da 18ª DP (Praça da Bandeira), disse que chegou ao nome do diretor da Match com a colaboração do advogado José Massih, um dos 11 presos sob suspeita de integrarem a quadrilha. "Ele foi imprescindível para chegarmos nessa pessoa. A Fifa enviou a lista dos credenciados, que bateu com as declarações dele", disse o delegado.

Entre os 11 presos está o franco-argelino Lamine Fofana, que inicialmente foi apontado como chefe da quadrilha. Segundo a polícia, Whelan seria o dono do celular oficial da Fifa que recebia ligações de Fofana interceptadas em centenas de gravações autorizadas pela Justiça na operação batizada de Jules Rimet.

A reportagem tentou entrar em contato com a Fifa para questionar a entidade sobre a prisão de Whelan, mas não obteve resposta até as 16h30 desta segunda (7).

Ray Whelan é diretor executivo da Match Services, braço da empresa responsável por gerenciar as acomodações e a venda de ingressos VIPs da entidade.

Entre as funções de Whelan estava a de vistoriar e credenciar os hotéis oficiais da Copa e a venda de pacotes VIps.

O diretor passou os últimos anos correndo o Brasil, visitando as possíveis acomodações que seriam usadas nas cidades-sedes e também nas cidades que receberam centros de treinamento das seleções.

Leia tudo sobre: Ray Whelanlíderingressosmáfiapresorio de janeiroCopacabanapolícia civilprisão