Ramires e Hernanes também estão de olho em vaga de Neymar

Meias entraram contra a Colômbia, no jogo das quartas de final, e reúnem esperanças de serem lembrados novamente

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

undefined

Apesar de William e Bernard serem os nomes mais fortes para substituir Neymar, o que não falta são candidatos no time de Felipão, de olho na vaga deixada pelo craque. 

O atacante do Barcelona sofreu lesão na vértebra lombar, no jogo contra a Colômbia, pelas quartas de final, após entrada do lateral-direito Zuñiga. Estar presente na semifinal da Copa do Mundo, nesta terça-feira, em Belo Horizonte, contra a Alemanha, é uma oportunidade de ouro que só será descartada quando o nome não estiver na lista oficial dos titulares. No último jogo, quem entrou no lugar de Neymar foi Henrique, mas mais por uma circunstância do jogo, que se aproximava do fim. Quem deve ocupar seu lugar no time pode ser, até mesmo, um meio-campo com características nem tão ofensivas, como Ramires e Hernanes.

Os dois estiveram em campo em Fortaleza, contra a Colômbia, e a lembrança de Felipão os deixou animados para, quem sabe, suprir a ausência do artilheiro do Brasil na Copa. “Todos estão preparados e motivados para quando o professor precisar. Estamos vivendo um momento maravilhoso, ajudando o Brasil a chegar neste importante duelo de uma semifinal. O objetivo sempre foi esse. Se tiver brechas, estarei dentro”, garante Hernanes. Se existe alguma casa de apostas com as alternativas de Felipão podendo dar dinheiro aos ‘ investidores’, o jogador da Inter de Milão certamente não estaria entre os mais cotados. Ramires sim pode surgir na equipe, apesar de também não ter seu nome muito citado para suprir a ausência de Neymar. O jogador já foi escalado como titular e também se mostra pronto. Para ele, apesar do momento ser decisivo, a hora é de serenidade. “Estamos a um jogo da final, de chegar no nosso sonho. Não podemos nos apavorar, precisamos ter tranquilidade. Todos os jogos que tivemos até aqui nos ajudaram e serviram de preparação. Não tememos nada, mesmo tendo um jogo difícil pela frente”, analisa.