Chefe da máfia de ingressos diz que é ligado a Fifa ou Match

Empresa é a única autorizada pela entidade a comercializar os bilhetes e camarotes da Copa do Mundo

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A Polícia Civil do Rio afirmou na tarde desta segunda-feira que identificou o integrante da Fifa ou da Match que seria o chefe do esquema milionário de venda ilegal de ingressos da Copa do Mundo.

O delegado responsável pela investigação, Fabio Barucke, da 18ª DP (Praça da Bandeira), disse que já pediu à Justiça a prisão do suspeito -que estaria hospedado no Copacabana Palace, na zona sul carioca.

A Match é a única empresa autorizada pela Fifa para venda de pacotes de ingressos e camarotes da Copa.

Sobrinho do presidente da federação internacional, Phillip Blatter preside a Infront Sports & Media, que é acionista minoritária (5%) da Match.

Barucke afirmou que, mesmo com a operação policial em curso, o suspeito não teria deixado o Brasil.

"A colaboração de José Massih [um dos 11 presos sob suspeita de integrarem a quadrilha, na última semana] foi imprescindível para a gente chegar a essa pessoa. A Fifa enviou a lista dos credenciados, que bateu com as declarações dele", disse o delegado.

Entre os 11 presos está o franco-argelino Lamine Fofana, que inicialmente foi apontado como chefe da quadrilha. O suspeito identificado nesta semana pela polícia seria o dono do celular oficial da Fifa que recebia ligações de Fofana interceptadas em centenas de gravações autorizadas pela Justiça na operação batizada de Jules Rimet.

Barucke disse que o nome do suspeito -que seria ligado à Fifa ou à Match- ainda não será divulgado para não atrapalhar a investigação.

Leia tudo sobre: BlatterCopa do Mundofutebolingressospresosuspeitopolícia civil