Com assessoria, Blatter evita falar sobre escândalo de cambistas

Dirigente afirmou que estaria somente prestigiando o evento Football for Hope, no Caju, complexo de favelas na região portuária do Rio de Janeiro

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Blatter admitiu que já recebeu pedidos e cartas para mudar os horários das partidas
REPRODUÇÃO/FIFA
Blatter admitiu que já recebeu pedidos e cartas para mudar os horários das partidas

Cercado por seguranças e assessores, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, evitou jornalistas que queriam ouvi-lo sobre as denúncias de envolvimento de funcionários do alto escalão da entidade com a quadrilha de cambistas presa no Rio.

"Estamos aqui para prestigiar o 'Football for Hope', um grande evento", disse Blatter ao deixar a Vila Olímpica do Caju, nesta segunda-feira (7).

O Football for Hope é um torneio que reúne jovens de 32 países para, por meio do futebol, trocarem experiências.

Apesar de ressaltar a importância do evento e de pedir aos jornalistas que acompanhassem as partidas, Blatter saiu da Vila Olímpica antes do fim do primeiro jogo, entre um time do Caju contra adolescentes norte-americanos.

O Caju é um complexo de favelas na região portuária do Rio, com cerca de 35 mil habitantes. Muitos moradores acompanharam a abertura do torneio nas arquibancadas; outros, da laje de suas casas.

Todos queriam ver o ex-jogador Ronaldo, que deu o pontapé inicial e, em um discurso um pouco confuso para um evento que pretende inserir jovens carentes na sociedade, disse que largou os estudos cedo e que tudo o que aprendeu foi "na escola da vida".

Blatter e seus convidados ficaram em uma área VIP, com salões decorados com sofás de couro branco e orquídeas. Do lado de fora, garçons serviam sucos e refrigerantes para os VIPs.

Leia tudo sobre: Joseph BlattercambistasCopa do Mundoescândalopresidente