Brasil deixou a desejar em aspectos cultural, social e esportivo

iG Minas Gerais |

Ao analisar mais amplamente os reflexos da Copa nos âmbitos esportivo, cultural e social, o Brasil vai deixar a desejar. Essas são as conclusões prévias do professor José Flávio Andrade Cabral, coordenador do Centro de Excelência Esportiva da Universidade de Western Cape, na África do Sul.

Ele fez um estudo sobre o legado da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, e prepara uma nova pesquisa sobre o Brasil, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

“Visitei as federações esportivas e tive a surpresa de que nenhuma delas foi beneficiada com a Copa. Eles não aproveitaram pela falta de visão de que o esporte é um megaevento”, destaca o professor Cabral. O especialista lembra da opção de não se reformar o Mineirinho, o principal palco do esporte especializado do Estado.

“As pessoas passam por ali e perguntam: ‘O que é aquilo?’. E não podem nem entrar para visitar. As federações poderiam usar o espaço, trazer uma atleta do vôlei, convidar a imprensa. Era uma boa oportunidade”, exemplificou.

Em termos de organização, de festa e de espetáculo, a Copa do Mundo no Brasil é perfeita, diz o professor. Mas, como a imagem do país está em alta, perdeu-se a oportunidade de se tirar mais proveito.

“No Brasil, a prática do futebol é uma expressão do povo brasileiro. O esporte é uma confraternização. Se tem problema social, se investe no esporte. O esporte é cada vez mais usado para provocar o desenvolvimento”, lembrou Cabral, que mora na África do Sul desde 2006 e é consultor do Ministério do Esporte do país africano. (TN)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave