Quase metade da Câmara de BH tenta vaga na Assembleia

Maioria dos deputados tenta garantir a reeleição na Assembleia ou uma vaga no Congresso

iG Minas Gerais | Flávia Carneiro |

Assembleia. A Casa tem experimentado renovação inferior à verificada na Câmara de Belo Horizonte
ALEX DE JESUS/O TEMPO
Assembleia. A Casa tem experimentado renovação inferior à verificada na Câmara de Belo Horizonte

Ainda faltam dois anos para o mandato terminar, mas quase a metade dos vereadores de Belo Horizonte vai disputar as eleições deste ano, cedendo seu lugar para os suplentes. O perfil da Câmara pode ser alterado com a chegada dos novatos. Dos 41 parlamentares da Casa, 19 vão concorrer ao pleito para deputado estadual e federal, ou seja, 46,3%.  

De olho em uma cadeira da Assembleia Legislativa de Minas estão 16 vereadores, o que equivale a 39%. Outros três parlamentares vão tentar uma vaga na Câmara dos Deputados. Esse é o caso dos vereadores Édson Moreira (PTN), Marcelo Aro (PHS) e Leonardo Mattos (PV).

Exercendo o seu primeiro mandato, o vereador delegado Édson Moreira já sonha com voos mais altos. Com longa trajetória na polícia, tomou posse com a bandeira da segurança pública. Naquela época, afirmou que o parlamento representava “a base da atuação legislativa, por sua proximidade com o povo”. Atualmente, dois anos depois, vislumbra vaga em Brasília.

Moreira foi o terceiro vereador mais bem votado no último pleito e ficou conhecido por causa de investigações de repercussão nacional. Hoje, está aposentado do cargo de delegado.

Um vereador que já exerceu vários mandatos, mas não quis ser identificado, criticou a atitude dos colegas que já pensam em deixar os cargos. “No primeiro dia de mandato, já havia vereadores fazendo as contas de quantos dias faltavam para a eleição para deputado”, disse.

No Legislativo estadual, poucos deputados mineiros não vão concorrer a uma vaga nas próximas eleições proporcionais. Do total de 77 parlamentares, apenas quatro não vão disputar o pleito: Almir Paraca (PT), Antônio Genaro (PSC), Jairo Lessa (DEM) e Sebastião Costa (PPS).

Grande parte tentará a reeleição – 66 deputados, ou seja, 85,7%. Outros seis vão concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados, índice que não chega a 8%.

A deputada Luzia Ferreira (PPS) vai disputar uma cadeira em Brasília e já está em pré-campanha, seja viajando ou recebendo lideranças de cidades do interior de Minas. Ela foi vereadora na capital mineira e a primeira mulher a ocupar a presidência da Câmara, de 2009 a 2010. Assumiu interinamente a prefeitura em 2010, depois de ter sido eleita vereadora em 2004 e 2008. As principais regiões de atuação são a região metropolitana, Central e Zona da Mata.

Há 16 anos exercendo mandato na Assembleia de Minas, o deputado Sargento Rodrigues (PDT) vai disputar, mais uma vez, a reeleição. Desde as eleições de 1998, tem sido o deputado votado no maior número de municípios e sua base é formada por policiais militares, civis, bombeiros e agentes penitenciários.

Sargento Rodrigues disse que já conseguiu aprovar 43 projetos de lei de sua autoria, nestas quase duas décadas de trabalho, e que seu eleitorado “proíbe” que ele dispute uma vaga na Câmara Federal, pois “as questões que envolvem a categoria são resolvidas em Minas e não em Brasília”.

Fim de carreira

Desistiu. Alexandre Gomes (PSB), que assumiu o primeiro mandato na Câmara, há 22 anos, disse que não vai mais disputar a eleição. Ele foi alvo de denúncia de uso do gabinete para encontros.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave