Curadores espirituais: um caminho em busca da essência do ser

iG Minas Gerais |

Equipe Divina Madre
undefined

A formação de novos servidores para o trabalho da cura espiritual está se dando em toda a órbita da Terra, e a presença da energia que salva e purifica se fará sentir à medida que forem crescendo os problemas mundiais. Sabemos que na Grécia Antiga acontecia um grande movimento voltado a curas espirituais. Na época, o mítico Esculápio serviu de polo irradiador, manifestando centros de cura que proporcionavam às pessoas profundas transformações, principalmente durante o sono. A partir da atividade esotérica desses centros, surgiram as bases da medicina que hoje se conhece, mas a cura espiritual recolheu-se para os níveis internos do planeta e passou a atuar por meio de energias sutis e de indivíduos que as contatam: os curadores espirituais. Curadores podem ser seres capacitados a receber, transformar e irradiar as energias de cura na potência e no grau requeridos para cada situação. Seres assim são raros, mas há muitos em formação. Os centros de cura e os curadores espirituais têm como tarefa básica conduzir a civilização humana pelo caminho da verdade, ordenando o curso da vida com base no propósito da existência e na realização do estado de perfeição da essência interior. Portanto, não se dedicam só a sanar doenças, mas a auxiliar as pessoas a entrar em sintonia com essa perfeição existente em seu íntimo. Se a pessoa está receptiva à realidade interior, a cura ocorre espontaneamente. Por isso, pode-se dizer que, ao longo da evolução, cada ser se torna seu próprio curador. Para a formação de curadores não há escolas no mundo físico. Essa formação se dá pelo amadurecimento interior do ser e também pelo correspondente amadurecimento do eu consciente que atua no mundo do viver humano. É uma transformação guiada pelo núcleo de consciência espiritual da pessoa. Para alguém entrar na senda dos curadores é necessário que tenha como prioridade na vida a busca da essência do próprio ser, e que essa busca prevaleça sobre qualquer outro interesse ou atividade. Os que anseiam somente pela saúde no plano material, afastam-se da senda da verdadeira cura, a cura espiritual, para a qual é preciso almejar tão somente a essência imaterial, sem ambição de espécie alguma. A seguir citamos alguns princípios da arte de curar. Inicialmente, aquele que reconhece em si mesmo uma coligação com a energia de cura tem de aprender a calar os sentidos. Isso é feito com a perseverante e determinada focalização da mente no centro do ser. É preciso que o curador aprenda a dizer não ao que o afasta do verdadeiro caminho. Muitas provas advirão, e nelas deve estar sereno e firme. Ele deve viver com devoção, o que não significa nutrir expressões emotivas. A cura não enfoca falsas projeções, mas a essência. A fé é também necessária. O desapego deve ser alimentado. O curador só pode atuar se estiver desapegado dos resultados de suas ações e também do mundo formal. Suas mãos devem ser puras, bem como o seu olhar. Do coração ele aprende as lições do Grande Fogo de onde provêm as energias curadoras. A humildade deverá ser cultivada pelo curador, que também deverá estar receptivo à sublime emanação do silêncio. Por fim, o curador precisa aprender a amar a essência de tudo o que foi criado e, assim, transcender a forma. Para conhecer as obras do autor, acesse o site www.irdin.org.br ou o site www.comunidadefigueira.org.br, que transmite ao vivo palestras mensais de Trigueirinho.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave