Mais uma semana de grandes espetáculos

iG Minas Gerais |

Nesta semana, teremos um desfecho de alto nível, à altura do sucesso de público, das surpresas e da alegria que este mês de competições tem proporcionado ao Brasil. Quem, antes da Copa do Mundo, apontava a Bélgica como possível “surpresa” foi surpreendido por essa incrível Costa Rica, que fez um jogo inesquecível contra a Holanda, levando a decisão para os pênaltis. Mais cedo, o goleiro Romero fez apenas uma defesa, sem dificuldade, na vitória da Argentina sobre a Bélgica, em Brasília. Uma classificação muito mais tranquila do que se esperava! Os belgas jogaram fechados, apostando em contra ataques que não existiram. Mostraram futebol comum em todo o Mundial. Os argentinos dominaram a partida, jogando coletivamente, tanto que Messi atuou apenas para o gasto, sem precisar carregar o time como nos jogos anteriores, quando foi eleito pela Fifa o melhor em campo. Desta vez, o destaque foi Higuaín, autor do gol aos oito minutos do primeiro tempo. Di María saiu machucado, mas nem assim os comandados de Alejandro Sabella diminuíram o ritmo ou passaram por dificuldades, já que a Bélgica não oferecia perigo.

Bom humor Nas entrevistas depois do jogo, atletas e comissão técnica da Argentina transmitem otimismo e alegria, dando a entender que o ambiente está muito bom entre eles. Assim como o Brasil, eles terão o grande teste de fogo, agora, na semifinal, onde a qualidade dos jogadores e condição psicológica pesam em função do equilíbrio. A Holanda não tem um Messi, mas no conjunto tem um time mais equilibrado. Campeões juntos Este bom ambiente entre os argentinos tem a ver com o trabalho de base deles e convocações anteriores. Dos 23 jogadores à disposição do Sabella, 11 estiveram juntos no time campeão olímpico em Pequim, nos Jogos de 2008. São eles: Romero, Zabaleta, Garay, Banega, Gago, Mascherano, Di María, Sosa, Agüero, Lavezzi e Messi. Riquelme também integrava esse grupo. Era um dos acima de 23 anos permitidos pelo Comitê Olímpico.

Bom demais Holanda e Costa Rica fizeram um jogo espetacular, principalmente depois dos 20 minutos do segundo tempo. Os costariquenhos quase perfeitos na marcação, e os holandeses sem a mesma pontaria de outros jogos pôs três bolas na trave, mas triunfou na perfeição da cobrança dos pênaltis. Incrível a percepção do técnico Van Gaal, que trocou o goleiro apenas para as penalidades e se deu bem.

Nada a ver Jogadores como Thiago Silva e Neymar fazem falta a qualquer time do mundo, mas o futebol brasileiro é pródigo em apresentar surpresas positivas em situações como essa. Porém, vejo como absurdo comparar este momento com o do Chile em 1962, quando Pelé se machucou no segundo jogo, e Amarildo o substituiu bem. Tínhamos o “fator” Garrincha. E Neymar está longe de ser o Pelé do momento!

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave