Neymar volta em cama improvisada, e Felipão se revolta ao rever lance

Ao rever as imagens do lance que tirou o craque da Copa, o técnico da seleção brasileira reclamou da violência e criticou a arbitragem

iG Minas Gerais | Da redação |

Fabrizio Bensch/AP
undefined

Teresópolis (RJ). Os médicos da seleção brasileira improvisaram uma cama no avião para Neymar viajar até o Rio. Sem poder ficar muito tempo sentado por causa das dores nas costas, o jogador do Barcelona foi deitado pelos médicos na segunda fileira do boeing da Gol que transportava a seleção de Fortaleza para a capital fluminense. O pai do atacante ficou o voo inteiro em pé ao lado da cama improvisada tentando consolar o filho. Ele só se sentou no assento traseiro na decolagem e no pouso.

No final do jogo desta sexta-feira (4), Neymar fraturou a terceira vértebra durante a vitória da seleção, por 2 a 1, sobre a Colômbia, no Castelão, ao ser atingido por Zúñiga. A contusão tirou o jogador do restante da Copa do Mundo. A vitória da seleção garantiu a classificação à semifinal do Mundial.

Ainda no estádio, o técnico Luiz Felipe Scolari havia absolvido o jogador colombiano de culpa e intuído que não havia intenção de machucar Neymar. Mas, no avião, ao rever as imagens do lance, ficou revoltado. Felipão reclamou bastante com seus companheiros de comissão técnica sobre a violência da jogada e criticou também a arbitragem, que foi omissa e nem puniu Zúñiga.

O voo da seleção até o Rio foi em clima de comoção. O habitual pagode não aconteceu. Nem a classificação deixou o ambiente festivo. Todos voltaram em silêncio. A maioria dos atletas estava abalada com a saída do craque da seleção do Mundial.

Antes de embarcar, Neymar, que estava numa cadeira de rodas na pista do aeroporto, recebeu o abraço dos companheiros. Alguns choraram e prometeram a conquista do título mundial. 

Do Rio, o jogador seguiu com a delegação para Teresópolis, local de concentração da seleção brasileira. No início da tarde deste sábado (5), Neymar foi liberado e viajou da Granja Comary, em Teresópolis (RJ), para sua casa no Guarujá (a 86 km de São Paulo).

Leia tudo sobre: FelipãorevoltaNeymarfratura