Frio animal!

Na época mais gelada do ano, o cuidado com o bem-estar dos animais deve ser redobrado para evitar as doenças típicas desta época do ano

iG Minas Gerais | Bárbara França |

Nem só os peludos merecem cuidados. Os passarinhos sofrem muito com correntes de ar, então, é bom colocá-los em lugares que impeçam a exposição às intempéries. Banhos de sol ajudam a manter a temperatura do corpo. À noite, recomenda-se cobrir a gaiola com lona ou tecido escuro.
arquivo stockexpert
Nem só os peludos merecem cuidados. Os passarinhos sofrem muito com correntes de ar, então, é bom colocá-los em lugares que impeçam a exposição às intempéries. Banhos de sol ajudam a manter a temperatura do corpo. À noite, recomenda-se cobrir a gaiola com lona ou tecido escuro.
Eles são peludos, parecem estar sempre quentinhos e confortáveis. Quem vê até pensa, mas os animais de estimação também sofrem no inverno. Além de atrapalhar os bichinhos a dormir, a queda na temperatura os deixa mais propensos a viroses, gripe e outras doenças respiratórias. Já aqueles que têm problemas na coluna, artrites e artroses, podem ter seu quadro clínico agravado. Então, na época mais gelada do ano, o cuidado com o bem-estar dos animais deve ser redobrado, mas os donos não precisam ficar alarmados. Algumas alterações da rotina podem ajudar a minimizar os efeitos da estação, afirma a médica veterinária Cláudia de Melo, do Pet Center - Centro Médico Animal.    Uma forma de perceber se algo vai mal com os bichinhos é notar seu comportamento. Se eles estiverem buscando locais quentes e sem ventilação, bem como se suas orelhas e nariz estiverem gelados, é hora de tomar uma atitude. As roupinhas são uma boa opção. Nessa época, elas não são só um charme dos donos mais caprichosos, mas um verdadeiro aliado contra o frio, principalmente para os animais magros, os idosos, os filhotes e os de pelo curto.    Banhos   Por falar em pelo, nada de deixá-los úmidos. De acordo com Cláudia, doenças de pele, fungos ou bactérias podem aparecer caso ele não esteja bem seco. Para evitar isso, recomenda-se usar um secador após o banho, mas é preciso ter muito cuidado para não queimar o animal. “O mais aconselhável é que o animal tome banho em petshops, onde os profissionais têm prática, mas para quem for fazer em casa, é preciso tomar muito cuidado com os olhos e deixar o aparelho a uma distância segura, de uns 15cm mais ou menos”, adverte. Ainda sobre o banho, ele não precisa ser menos frequente no inverno, basta escolher o período mais quente do dia e usar a água também aquecida. Além disso, deve-se evitar tosas curtas, optando por deixar os pelos mais longos.   O abrigo do peludo também deve ser incrementado. Deixar a casinha em local coberto, forrar o chão com papelão ou jornal e fornecer cobertores que estão em desuso ajudam a mantê-lo aquecido, mas o cuidado especial deve ser destinado àqueles que dormem fora de casa, que são em sua maioria cachorros e aqueles de maior porte. “Sugerimos construir um abrigo com paredes de alvenaria. Outra dica é fazer a construção em cima de um piso de madeira e colocar um cobertor por cima, isso ajuda muito a aquecer”, recomenda a veterinária.    Calorias   Outro detalhe super importante e que às vezes até os donos mais protetores esquecem quando se fala em frio é da alimentação. Como o animal gasta mais energia para manter o corpo aquecido, de acordo com Cláudia, deve-se aumentar a quantidade de ração em cerca de 20%. Mas cuidado! A dica só vale para animais de pequeno porte e que não tenham tendência à obesidade. Sobre as vacinas, não precisa nem falar. Devem estar todas em dia.   

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave