Polícia registra furtos de ingressos em série dentro do metrô do Rio

Nesta sexta-feira, ao menos 50 pessoas, brasileiros e estrangeiros, registraram ocorrências relacionadas a furtos de ingressos na delegacia móvel da Polícia Civil

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

RIO DE JANEIRO, RJ - A segurança nas estações e dentro dos vagões do metrô do Rio passou a ser o grande problema para os torcedores a caminho do Maracanã na segunda fase da Copa. Nesta sexta-feira (4), ao menos 50 pessoas, brasileiros e estrangeiros, registraram ocorrências relacionadas a furtos de ingressos na delegacia móvel da Polícia Civil, instalada a poucos metros do estádio. De nove vítimas entrevistadas pela reportagem, oito tiveram seus tíquetes roubados dentro do metrô.

O alemão Alexander Berscheid, 44, teve o ingresso roubado no interior do vagão, no trecho entre as estações de São Cristóvão e Maracanã.

A 30 minutos do início da partida entre França e Alemanha, ele ainda estava na fila da delegacia móvel para registrar sua ocorrência. Angustiado, chegou a gritar em português pedindo agilidade no atendimento.

"Vamos gente, por favor", disse Berscheid, com forte sotaque. Depois, suplicou em inglês: "Já está quase na hora. Não vai dar tempo. Eu preciso entrar. É o meu país que está lá dentro!"

O cirurgião americano Christopher Madsen, 31, comprou quatro ingressos para a sua família no setor mais caro do Maracanã, o setor vip conhecido como área de hospitalidade. Um deles foi levado na saída da estação Maracanã. "Tiraram o ingresso da mão do meu pai. Mas eram tantas pessoas saindo ao mesmo tempo em direção ao estádio que não deu para ver quem roubou", disse Madsen.

Por telefone, o australiano Jared Keen, 36, falava com o amigo que já estava dentro do Maracanã. "Ainda estou aqui na fila da polícia. Alguém sentou no meu lugar?", perguntou Keen. Até o início da partida, o assento ainda estava vazio.

Keen concluiu o registro policial e foi ao Centro de Ingressos da Fifa, no Maracanã, para tentar obter um novo ingresso.

"Os tíquetes da Copa são muito grandes. Chamam muita atenção", disse o australiano, que havia guardado o bilhete no bolso lateral de sua bermuda antes de furtado no metrô.

"Meu pai sentiu quando os ingressos foram tirados de seu bolso", lamentou o estudante paraguaio Mauricio Poletti, 28, que mora no Rio. Assim como outras vítimas, ele também não conseguiu identificar o autor do furto no meio do tumulto na saída da estação Maracanã do metrô carioca.

OUTRO LADO

A assessoria de imprensa da Polícia Civil afirmou que não é possível apontar providências ou calcular com exatidão o número de vítimas que prestou queixa de roubo de ingressos porque as ocorrências estavam em andamento.

Já a assessoria do Metrô do Rio afirma que dois suspeitos foram detidos pela Polícia Militar com auxílio de agentes do próprio Metrô na estação Central e que mais de 500 agentes atuaram nesta sexta-feira (4). Segundo a empresa, há 900 câmeras de segurança e monitoramento em todo o sistema.

BALANÇO

A Polícia Militar do Rio encaminhou, até às 15h desta sexta (4), 39 pessoas conduzidas por estarem negociando a compra e venda de ingressos no entorno do estádio do Maracanã. Desses 39, 19 vendiam entradas para o jogo entre Alemanha e França, enquanto outros 20 tentavam comprá-los.

Os policiais militares apreenderam ainda US$ 3.730, R$ 9.184, 150 euros e 1.950 libras com os cambistas. Todo o material e os detidos foram levados para quatro delegacias localizadas nos bairros de São Cristóvão, Tijuca, Praça da Bandeira e Grajaú. Todas próximas ao estádio do Maracanã. A Alemanha venceu a França por 1 a 0 nesta tarde no Maracanã e se classificou para a semifinal da Copa.

Leia tudo sobre: futebol internacionalseleçãoCopa do MundoingressosprisõesPM