Condutor de Uno saiu do trabalho mais cedo para encontrar com a mulher

Casal iria a uma concessionária para trocar o carro de duas portas por um de quatro portas; vítima iria pegar a mulher no trabalho dela, quando foi atingido pelo viaduto que cedeu

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Uma das vítimas da queda de um viaduto na avenida Pedro I, na altura do bairro São João Batista, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte, nessa quinta-feira (3), tinha conseguido sair mais cedo do trabalho para buscar a mulher e irem juntos a uma concessionária para trocar o carro da família. O corpo do assistente de encarregado de obra Charlys Frederico Moreira do Nascimento, 25, ainda está no Instituto Médico Legal (IML) da capital. Ele será sepultado em Lagoa Santa, na região metropolitana.

Nascimento tinha combinado com a mulher de ir buscá-la, nessa quinta-feira às 15h, no trabalho dela na região da Pampulha. A intenção do casal era trocar o Uno de duas portas por um carro de quatro portas. A doméstica Cristilene Pereira, Sena, 32, contou que às 15h15 ligou para o marido, devido ao atraso, e como ele não atendia, foi caminhando, até se deparar com a tragédia na avenida Pedro I.

Cristilene achou que Nascimento iria buscá-la de moto, e quando viu que não tinha nenhuma envolvida no acidente, chegou a ficar aliviada, mas ao verificar o carro preso embaixo da estrutura do viaduto, reconheceu o veículo pelas rodas.

“Ali não era trajeto dele, mas é a minha rotina. De segunda a sábado, passo lá para ir ao trabalho, e é um lugar que vou ter que enfrentar a lembrança”, desabafou. Cristilene acompanhou todo o trabalho do Corpo de Bombeiros para a retirada do veículo das 15h30 dessa quinta às 6h30 desta sexta-feira (4).

O corpo de Nascimento já foi necropsiado, mas ainda está no IML da capital, devendo ser liberado por volta das 12h. O assistente será velado no cemitério da Vila Maria, em Lagoa Santa, onde deve ser enterrado às 17h.

Um homem bom

Há sete anos casado com a doméstica Cristilene, Nascimento não tinha filhos e era o filho único de um casal, que perdeu uma filha há anos. A mãe de Nascimento está em estado de choque, sendo medicada.

De acordo com os familiares, Nascimento era muito brincalhão e um homem muito trabalhador. Todos os que o conheciam gostavam muito dele e não tinham do que reclamar do assistente.

Segundo o amigo de Nascimento, o dentista Edmilson Guedes de Moura, 41, era para ele também estar no Uno na hora do acidente. Ele teria sido convidado por Nascimento para ir à capital, nessa quinta-feira, mas recusou por estar com muito serviço em seu consultório, em Lagoa Santa. Moura detalhou que Nascimento foi ao local de trabalho dele, levar a cunhada para uma consulta.