Treinadores estreantes em quartas de final querem fazer história

Didier Deschamps, Jorge Luís Pinto, Louis Van Gaal, Marc Wilmots e Alejandro Sabella participam, pela 1ª vez, desta etapa do torneio mundial

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Wilmots e Deschamps, exemplos de ex-jogadores que fizeram sucesso por suas seleções
Facebook/Reprodução
Wilmots e Deschamps, exemplos de ex-jogadores que fizeram sucesso por suas seleções

As quartas de final da Copa do Mundo se iniciam nesta sexta-feira. Uma batalha será travada nos campos, mas fora deles cinco treinadores já venceram. Didier Deschamps (França), Jorge Luís Pinto (Costa Rica), Louis Van Gaal (Holanda), Marc Wilmots (Bélgica) e Alejandro Sabella (Argentina) participam, pela primeira vez, desta etapa do torneio mundial, e integram a lista que já possui a presença de Felipão, Joachim Löw (Alemanha) e José Pekérman (Colômbia), todos com duas participações em quartas de final.

Dentre os estreantes em quartas de final, os mais novos são Deschamps e Wilmots, ambos com 45 anos. Ex-jogadores, eles fizeram sucesso com as camisas da seleção francesa e belga, respectivamente. Na Copa de 1998, Deschamps foi o capitão da equipe que bateu o Brasil por 3 a 0 na final, e teve o privilégio de erguer a taça de campeão mundial, a única da França na história do certame internacional. Caso os “Le Bleus” conquistem o título neste ano, Deschamps ainda pode igualar o feito até então restrito a Zagallo e Franz Beckenbauer, campeões do mundo como jogador e treinador.

Por sua vez, Wilmots é o maior artilheiro belga em Copas, com cinco gols marcados. Ele participou dos Mundiais de 1994, 1998 e 2002, e guarda uma história de frustração com o futebol brasileiro. Na Copa da Coreia do Sul e Japão, Bélgica e Brasil se enfrentaram pelas oitavas de final. Quando o placar ainda apontava 0 a 0, Wilmots marcou um gol de cabeça mal anulado pelo árbitro jamaicano Peter Prendergast. O lance, interpretado como uma falta no zagueiro Roque Júnior, poderia ter mudado o resultado da partida que terminou em vitória do Brasil por 2 a 0.

Outro estreante em quartas de final, o técnico colombiano Jorge Luís Pinto vem surpreendendo o mundo à frente da Costa Rica. Com um futebol envolvente, liderado por expoentes como Bryan Ruiz, Joel Campbell e Bolaños, “Los Ticos” já registram a melhor campanha em Mundiais com vitórias sobre Uruguai e Itália, além de um empate com a Inglaterra e a vitória nos pênaltis sobre os gregos nas oitavas de final. Aos 61 anos, Jorge Luís já chegou a treinar a seleção colombiana, mas acumulou fracassos, entre eles a não classificação para a Copa do Mundo de 2010. Criticado, encontrou refúgio em terras caribenhas e, desde então, vem fazendo história.

Completando a lista de estreantes, o treinador argentino Alejandro Sabella sucedeu Sergio Batista no comando da equipe albiceleste. Em seu currículo, o comandante acumula um título que não traz boas lembranças aos cruzeirenses – a Copa Libertadores de 2009, conquistada pelo Estudiantes, no Mineirão. Como jogador, Sabella defendeu, além do próprio Estudiantes, clubes como Grêmio, River Plate e Leeds United (ING), e ganhou o apelido de Pachorra, um adjetivo ligado à sua calma, tranquilidade, e também ao hábito de sempre dormir após o almoço. Com uma hábil canhota, o enganche Alejandro Sabella era também, um líder sereno, e ao mesmo tempo, qualificado com a bola nos pés.

Ao lado dos também meio-campistas Marcelo Trobbiani, José Daniel Ponce e Miguel Ángel Russo, Sabella foi peça importantes nas gloriosas conquistas nacionais do Estudiantes em 1982 e 1983.

Encerrando a lista de estreantes, Louis Van Gaal destaca-se como o treinador mais experiente. Discípulo do “Futebol Total”, o comandante busca o primeiro título mundial da seleção holandesa. Conhecido por seu estilo durão, Van Gaal marcou época à frente do Ajax, clube onde ganhou a Liga dos Campeões da Europa 1994-95, além de passagens vitoriosas em Barcelona e Bayern de Munique. A atual campanha com a Laranja pode ser encarada como uma revanche, ou até mesmo uma resposta aos críticos. Em sua primeira passagem pela seleção holandesa, Van Gaal fracassou ao não conquistar sequer a classificação para a Copa do Mundo de 2002.