Oito grupos e cinco reformas

Aécio Neves apresentou nessa quinta as linhas gerais do que serão suas diretrizes de campanha

iG Minas Gerais |

Anúncio. Aécio Neves escalou Antonio Anastasia ontem para falar sobre o pré-programa de governo
MARCOS DE PAULA
Anúncio. Aécio Neves escalou Antonio Anastasia ontem para falar sobre o pré-programa de governo

Brasília. O candidato tucano à Presidência da República, Aécio Neves, promete fazer várias reformas no país caso seja eleito em outubro. Reforma tributária, política, dos serviços públicos, da segurança pública e da infraestrutura são parte do pré-programa de governo que ele pretende apresentar neste sábado.  

Nessa quinta, em entrevista coletiva no Rio de Janeiro ao lado do ex-governador de Minas e coordenador do programa, Antonio Anastasia, o senador mineiro não quis adiantar detalhes do documento que será entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) junto com seu pedido de registro de candidatura.

Coube a Anastasia dar pistas do que os dois tucanos chamaram de “uma proposta de diretrizes detalhada”, mas que será ainda transformada em programa de governo após “conversa com a sociedade”.

“O que queremos, a partir da apresentação dessas diretrizes, é que haja uma interação, uma discussão ampla de diversos setores da sociedade brasileira para que possamos, no dia da eleição, ter uma proposta de retomada do crescimento, de controle da inflação, de ampliação dos direitos sociais, de qualificação dos programas de transferência de renda, que possibilite ao Brasil crescer de forma mais sólida e distribuindo melhor sua riqueza do que ocorre hoje”, disse Aécio.

O documento com as diretrizes do programa de governo de Aécio tem 50 páginas divididas em oito capítulos. O tucano pretende enfrentar temas como corte de ministérios, enxugamento da máquina pública e até mesmo a rediscussão da maioridade penal.

Segundo Anastasia, o pré-programa foi desenvolvido pensando nas seguintes áreas: cidadania, economia, sustentabilidade, educação, saúde, segurança, relações exteriores e governo eficiente. “O trabalho é abrangente e procurou-se à exaustão fazer uma coordenação entre as diversas áreas. O que sabemos é que os governos não podem ser compartimentados, então, as áreas têm de falar entre si”, disse Anastasia.

Gastos. Junto com as diretrizes do programa de governo, Aécio apresentará à Justiça Eleitoral um teto de gastos de até R$ 200 milhões nos primeiro e (eventual) segundo turnos da campanha. O maior volume deve ser gasto nos programas de TV.

É um valor ligeiramente superior aos R$ 180 milhões apresentados como meta pelo também tucano José Serra em sua campanha à Presidência quatro anos atrás ao TSE para o registro da chapa.

Controle

Gastos. Aécio Neves também defendeu nessa quinta o controle de gastos do governo federal e prometeu adotar “medidas responsáveis” para abrir caminho para a redução da carga tributária.

Tucano entrará com ação na Justiça contra boato BRASÍLIA. O coordenador jurídico da campanha presidencial do PSDB, deputado Carlos Sampaio (SP), vai apresentar nesta sexta ação judicial em São Paulo para identificar a origem de textos publicados nas redes sociais que trazem relatos de um suposto bate-boca entre o senador Aécio Neves e a ex-mulher Andrea Falcão. O motivo do desentendimento entre o casal teria sido um suposto transporte ilegal de malas de dinheiro e diamantes realizado pela filha do senador para o exterior. “A indignação manifestada pelo senador Aécio Neves com o uso indevido do nome de sua família, filha e ex-mulher na tentativa de denegrirem sua imagem é a expressão clara de que nossos adversários ultrapassaram todo e qualquer limite”, disse Carlos Sampaio.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave