Dilema de Felipão

iG Minas Gerais |

O Brasil não vai ganhar da Colômbia somente na raça e no Hino Nacional, nem somente na técnica e na tática. A Colômbia possui bons jogadores, como em outras épocas, com a diferença que o time atual é mais disciplinado taticamente, mais seguro. O fato de a Colômbia ser mais técnica e menos aguerrida que o Chile não significa que seja mais fácil. Não dá para fazer esse prognóstico. Felipão vive um dilema. Se colocar Oscar no meio-campo para preencher o vazio, vai faltar alguém pelo lado para marcar o avanço do bom lateral colombiano, já que o técnico brasileiro quer Neymar pelo centro e perto do gol. Uma opção, ensaiada por apenas 30 minutos, para ser usada durante a partida, é colocar Hulk e Neymar na frente, com Oscar vindo de trás. Entraria Henrique, para ser um terceiro zagueiro ou para fazer a função de Luiz Gustavo, formando, com Fernandinho e Paulinho, um trio no meio-campo. Repito, com Hulk e Neymar, dois atacantes agressivos e artilheiros, não haveria necessidade de se ter um centroavante apenas finalizador. Já a Alemanha sente muita falta de um centroavante, de um Klose mais jovem, já que o único atacante artilheiro é Müller. No passado, um meia habilidoso e fino para jogar, como Götze, era chamado de Armandinho, barbantinho, por fazer maravilhas com a bola, mas não sair do lugar e finalizar pouco. Evidentemente, é um exagero rodriguiano. Entre as grandes atrações do clássico entre França e Alemanha, duas me encantam. A primeira foi o show, a aula de Neuer, contra a Argélia, sobre como um goleiro deve jogar na cobertura dos zagueiros adiantados. A segunda são os dois meio-campos. Pogba parece um bailarino dentro das quatro linhas. Contraria a lei da física, a do movimento e do equilíbrio de um corpo. O jogador francês dá a impressão de que vai cair no campo, que não vai conseguir dominar a bola, mas alcança o êxito, com muita técnica e leveza.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave