Residencial no Citrolândia é entregue com problemas

Beneficiários reclamam de vidros quebrados, falta de água e de extintores

iG Minas Gerais | Dayse Resende |

Desumano. 
Sem água nos banheiros, vasos sanitários estão sujos
Desumano. Sem água nos banheiros, vasos sanitários estão sujos

 

Beneficiando  muitos com o sonho da casa própria, o Residencial São Marcos I – empreendimento do programa Minha Casa Minha Vida construído na região do Citrolândia –, que, enfim, foi entregue aos moradores na última quinta-feira (3), após dois anos de atraso, já é fonte de reclamações.   Contemplados, que pediram para não ser identificados por medo de perseguição, entraram em contato com a redação de O Tempo Betim horas depois de terem recebido as chaves dos imóveis denunciando que parte deles está com vidros quebrados, fiação elétrica exposta e tomadas sem caixas de interruptor. Além disso, os beneficiários reclamam de que faltam extintores e até água nos banheiros. A porta principal de um dos prédios, ainda, precisou ser arrombada durante a inauguração, porque a chave teria sumido.    “O que era para ser um dia de muita alegria para nós acabou se transformando em decepção. Claro que estamos felizes em ter recebido as chaves das unidades, mas os reparos que foram prometidos pela Construtora Aterpa durante a última vistoria, feita em junho, não foram cumpridos. Ainda há muitos problemas a serem resolvidos”, informou uma moradora, de 56 anos.   Desempregada e sem ter condições para pagar mais um mês de aluguel no valor de R$ 350, ela, no entanto, contou à reportagem que iria ficar no imóvel já na quinta-feira (3), mesmo diante dos problemas. “Meu contrato venceu, e não tenho onde ficar com meus filhos”, justificou.   Outro morador, que também preferiu não se identificar, contou que teve que usar desinfetante e carregar baldes com água para poder lavar o vaso sanitário do seu apartamento. “O mau cheiro estava insuportável. Havia muitas fezes acumuladas, provavelmente de funcionários da obra. Para piorar a situação, a água, que sai normalmente nas torneiras, não está chegando ao vazo. Provavelmente, há algum cano entupido”, arriscou o morador, ao tentar descobrir a causa do problema.   Já outra beneficiária informou que vai esperar até segunda-feira (7), quando  acontecerá uma reunião no auditório da prefeitura para a escolha do síndico do empreendimento, para poder reclamar da situação. “Não posso mudar para o apartamento diante de todos os problemas. Mas, segundo o que me informaram, as chaves dos imóveis que vão precisar de reparos serão recolhidas e entregues aos proprietários novamente só após as adequações. Isso é lamentável. Esperamos meses pelo dia de hoje (a entrega das unidades). Fomos enganados mais uma vez”, lamentou.    Ao todo, foram beneficiadas 474 famílias. O empreendimento, que recebeu investimento total de mais de R$ 22 milhões, com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), é composto por 23 blocos, de 20 apartamentos cada, e 14 casas adaptadas para Portadores de Necessidades Especiais (PNE).   Respostas A assessoria de imprensa da prefeitura informou que os reparos são de responsabilidade da construtora Aterpa, responsável pelo empreendimento, e da Caixa Econômica Federal (CEF). Já a assessoria da construtora e da Caixa não responderam os e-mails encaminhados pela reportagem de O Tempo Betim.   No entanto, em nota encaminhada à imprensa mineira na última quarta-feira (2), a Caixa havia frisado que, “atendendo às exigências do programa do governo federal, o empreendimento é equipado com infraestrutura completa, composta por pavimentação, redes de água potável, esgotamento sanitário com tratamento, energia elétrica com iluminação pública e disponibilidade de acesso ao transporte público”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave