Clássico sem favorito: França e Alemanha prometem jogaço no Maracanã

De um lado, a Alemanha ainda não mostrou tudo o que pode, mas tem muito potencial, enquanto do outro, a França está jogando muito bem

iG Minas Gerais | GABRIEL PAZINI* |

Thomas Müller e Karim Benzema são os grandes nomes de Alemanha e França
ARTE SUPERFC
Thomas Müller e Karim Benzema são os grandes nomes de Alemanha e França

O grande jogo das quartas de final é aquele que abre essa fase da Copa do Mundo. Às 13h desta sexta-feira, no Maracanã, no Rio de Janeiro, França e Alemanha se enfrentam e prometem um jogaço de arrepiar. De um lado, a Alemanha ainda não mostrou tudo o que pode, enquanto do outro, a França está jogando muito bem. A defesa francesa passa mais segurança, mas o alemão Neuer é o melhor goleiro do mundo atualmente. O meio-campo dos Bleus tem o jovem e excelente Paul Pogba jogando muito, assim como seus companheiros Cabaye e Matuidi. O bom trio de volantes da França deixa o time compacto, com boa marcação, armação de jogadas e chegadas ao ataque. Os três mantém as linhas e, consequentemente, os setores próximos. E é claro que o baixinho Valbuena e Karim Benzema também merecem destaque. Enquanto o meia faz bela Copa, o atacante é o um dos destaques do Mundial.

No entanto, também existe uma dúvida. Deschamps ainda não sabe se entra com Griezmann ou Giroud. Se entrar com Giroud, Benzema joga aberto pela esquerda no meio-campo, enquanto o jogador do Arsenal faz o papel de referência. Se Griezmann começar entre os titulares, o garoto atua pela faixa esquerda da meia-cancha, enquanto Benzema faz o papel de centroavante. Eu prefiro Griezmann como titular. O garoto é muito talentoso e, além disso, Benzema rende mais como centroavante, como atua no Real Madrid, e o jovem meio-campista dá mais mobilidade ao time. Isso ficou nítido no segundo tempo contra a Nigéria. Giroud até faz uma boa Copa do Mundo, mas fica muito parado e prejudica a movimentação ofensiva do time.

Já pelo lado alemão, na de Lahm na lateral-direita. O jogador do Bayern de Munqiue vai seguir no meio-campo com Kroos, Özil, Götze e Müller como falso 9. A dúvida é entre Schweinsteiger ou Khedira. Acho que Schweinsteiger começa jogando, mesmo não estando 100%. Eu, sinceramente, escalaria os dois e colocaria Toni Kroos no banco de reservas. Jogaria com o trio Lahm, Schweinsteiger e Khedira, com Özil e Götze tendo liberdade para armar e atacar e Müller como falso 9. O time teria mais solidez no meio-campo, Özil e Götze ficariam mais livres, podendo render mais, e o time teria mais alternativas. É estranho comentar isso porque Kroos é muito bom jogador, mas ele está "sugando" o meio-campo alemão. O atleta do Bayern não contribui muito com a marcação, dá espaços e ofensivamente está muito mal. No gráfico de passes de Kroos, sóse vê passes para o lado. Nenhum passe é decisivo, incisivo ou até mesmo objetivo. São apenas passes para o lado. E Kroos, ainda por cima, limita Özil, que rende menos quando fica aberto na direita como está. Com liberdade, Özil rende muito mais. Se Löw fizer essas mudanças, a Alemanha renderá muito mais, no entanto, o treinador, teimoso como é, não vai mexer no time.

De qualquer forma, o jogo é equilibrado demais. A França tem jogando melhor, mas essa partida é diferente e acredito que a Alemanha irá crescer. A Nationalelf pode jogar mais do que está jogando e ainda não apresentou o melhor que pode mostrar nesta Copa, apesar de ter feito bons jogos na primeira fase. Ainda existe outra questão: a França não tem nomes no banco para mudar o jogo, enquanto a Alemanha conta com atletas para mudar o panorama do confronto. Entre eles, está Miroslav Klose, que podequebrar o recorde do Ronaldo, passar dos 15 gols em Copas e se tornar o maior artilheiro isolado da história dos Mundiais. Também vale destacar Thomas Müller, que marcou quatro gols nesta Copa e tem nove na história das Copas. O duelo não tem um favorito e é difícil fazer um prognóstico por todos os motivos esmiuçados. Aposto que a Alemanha avance, mas tudo pode acontecer.

*com supervisão de Leandro Cabido

Leia tudo sobre: Copa do Mundofutebolesportealemanhafrancaquartas de finalmaracanajogaco