Raikkonen admite deixar a F-1 no fim de 2015

Finlandês é o 12º colocado no Mundial deste ano. Somou apenas 19 pontos nesta temporada

iG Minas Gerais |

Raikkonen quer conquistar seu primeiro GP da Bélgica com a Lotus
REPRODUÇÃO/LOTUS
Raikkonen quer conquistar seu primeiro GP da Bélgica com a Lotus

Sem ter conseguido bons resultados desde que voltou à Ferrari, no início deste ano, o finlandês Kimi Raikkonen afirmou nesta quinta-feira (3), em Silverstone, que deve deixar a F-1 no fim de 2015, quando acaba seu contrato com a escuderia italiana.

Ao ser questionado se se via na categoria no futuro, o finlandês foi direto: "Até que meu contrato termine, sim. Depois disso eu provavelmente vou parar. É o que acho que vai acontecer", disse o ferrarista às vésperas dos primeiros treinos livres do GP da Inglaterra, que será disputado no domingo (6), às 9h (de Brasília).

Desde que retornou à equipe de Maranello, os sétimos lugares conquistados nos GPs da Austrália e da Espanha foram as melhores colocações de Raikkonen.

O finlandês ocupa apenas a 12ª colocação no Mundial de Pilotos, com 19 pontos conquistados, enquanto seu companheiro de time, o espanhol Fernando Alonso, é o quarto colocado, com 60 pontos a mais.

Apesar de expressar seu desejo por deixar a categoria, Raikkonen disse que ainda não decidiu o que pretende fazer depois. E afirmou que, se as equipes da F-1 permitissem que seus pilotos tentassem outras modalidades, todos sairiam ganhando.

"Tentei várias coisas diferentes nos últimos anos, sem prejuízo nenhum à F-1. Acho que isso só ajuda e não atrapalha. Você sempre acaba aprendendo coisas diferentes, mas o problema é que os times ficam preocupados que algo aconteça e isso acaba gerando um conflito", afirmou o piloto da Ferrari.

Por contrato, a maior parte dos times não permite que seus pilotos exerçam atividades consideradas perigosas, como competir em rali e até esquiar.

"Antigamente, quando eu estava na Ferrari, eu podia fazer alguns ralis e eu acho que aquilo me ajudava quando fazia em paralelo com a F-1. Mas cada equipe é diferente da outra. Seria legal se pudéssemos fazer isso, não só por nós, mas para os torcedores, que poderiam nos ver fazer outras coisas também".

Leia tudo sobre: Kimi RaikkonenF1Fórmuladespedidaautomobilismo