Barra brava que se fantasiou para ver a Argentina debocha da polícia

Bebote Álvarez tem sido procurado pelas autoridades com a ordem de ser deportado imediatamente, mas já penetrou em dois jogos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Bebote postou foto na internet vestido de 'suíço' e debochou da polícia
Reprodução
Bebote postou foto na internet vestido de 'suíço' e debochou da polícia

Desde o início da Copa do Mundo, 196 pessoas já foram deportadas por estarem irregulares no país, mas um indivíduo – ainda em terras tupiniquins - tem intrigado a polícia brasileira. Trata-se de Pablo, mais conhecido como Bebote Álvarez, torcedor da Argentina que vem conseguindo driblar a tudo e todos para entrar nos jogos de sua seleção.

A última proeza do hermano foi no jogo contra a Suíça, nessa terça-feira. Ele se fantasiou de torcedor suíço para passar despercebido no Itaquerão, já que está sendo procurado pela polícia e será deportado imediatamente.

Bebote Álvarez, inclusive, debochou da polícia, postando uma foto em sua página no Facebook, comemorando a 'vitória' -  segunda – em sua meta de acompanhar o time de Messi no Mundial. Antes, ele já tinha entrado no Beira-Rio e viu os hermanos vencerem a Nigéria por 3 a 2.

“Agradeço aos que me confiaram os ingressos para o jogo de hoje. Conseguimos essas entradas para celebrar: Bebote 2 x 0 Polícia Federal Argentina", ironizou nas redes sociais.

O barra brava é chefe de uma facção do Independiente e da Hinchadas Unidas Argentinas (HUA), que une outras organizadas para torcer pela seleção argentina. É um dos torcedores mais temidos, com o nome envolvido em vários casos no mínimo polêmicos. Ele entrou no Brasil pela fronteira com o Uruguai e está clandestino o país.

O barra brava tem em suas costas várias acusações de crimes, como de ser o responsável pelo enforcamento de cães colocados próximos ao estádio Libertadores da América quando o Independiente caiu para a segunda divisão do Campeonato Argentino. Além de ser alvo de investigação por supostamente coagir atletas depois de ter jurado balear o meia Fabián Vargas, caso aceitasse se transferir para o Racing.

Ele foi apontado ainda como mandante do sequestro da família de um dirigente do Independiente, após ter dito a ele que a torcida queria pegá-lo. É Bebote também que controla o cambismo praticado nos jogos do Independiente e facilita o trabalho de flanelinhas nos arredores do estádio. Por ter certa amizade com os jogadores, consegue prêmios, como camisas e até medalhas.

A polícia argentina listou 2.100 barra bravas que estariam sendo procurados no Brasil durante a Copa do Mundo. Apenas 40 foram deportados até então, sendo pegos 19 em uma operação feita no Mineirão, no duelo com Irã, mas somente dois foram expulsos do país.

Leia tudo sobre: Copa do Mundoargentinabarra bravatorcedorfutebolpolicia