Prestes a acalnçar marca, Massa diz que carreira superou expectativas

Brasileiro iniciou a carreira em 2002, na Austrália, e ultrapassar números que apenas 14 pilotos conseguiram

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Brasileiro ganha de ponta a ponta na Turquia e esquenta o campeonato
MURAD SEZER/ASSOCIATED PRESS
Brasileiro ganha de ponta a ponta na Turquia e esquenta o campeonato

O GP da Inglaterra, que será disputado neste domingo (6), tem um significado especial para Felipe Massa. Será a corrida de número 200 do piloto brasileiro na F-1 desde sua estreia na categoria, no GP da Austrália de 2002, quando corria pela Sauber.

Apenas 14 pilotos já ultrapassaram a marca de 200 GPs na história da categoria. Desde sua estreia, Massa passou pela Ferrari, onde conseguiu seus melhores resultados - entre eles o vice- campeonato mundial em 2008 -, e pela Williams, equipe para a qual se transferiu no início desta temporada.

"Sem dúvida, minha carreira foi melhor do que eu imaginava quando era criança", afirmou o brasileiro nesta quinta-feira (3) no novo motorhome da Williams, em Silverstone.

"Até aqui não foi uma trajetória fácil, passei por bons e maus momentos, mas acho que sempre consegui superar os obstáculos que apareceram e estou feliz e contente por chegar à minha corrida de número 200", completou Massa, que disse não ser capaz de lembrar de todas as provas.

Neste período, o brasileiro conquistou 11 vitórias, 36 pódios e 16 poles, a última delas no GP da Áustria, há duas semanas.

Aos 33 anos, Massa acredita que será difícil chegar à marca de 300 GPs, como fizeram Rubens Barrichello e Michael Schumacher, os únicos a alcançar este número na F-1.

"Não me vejo correndo até lá, mas nunca se sabe. É bom a gente começar a preparar outro brasileiro. Mas enquanto eu estiver motivado e feliz estarei por aqui", disse o piloto, que tem contrato com a Williams até o fim de 2015, com opção de renovação para 2016.

Dentre os 199 GPs que já disputou na F-1, Massa elegeu os do Brasil de 2006 e de 2008 como os seus mais felizes -o de 2006 foi sua primeira vitória em casa e o de 2008, quando quase foi campeão do mundo.

"Entre os negativos, acho que gostaria de esquecer o da Alemanha de 2010 [quando teve de ceder a vitória ao companheiro de Ferrari, Fernando Alonso] e o de Cingapura [em 2008, quando Nelsinho Piquet bateu seu carro propositalmente e ajudou Alonso a vencer a prova]."

Apesar de dizer que não tem mais a mesma energia e agilidade de quando começou sua carreira na F-1, Massa afirma que a experiência que adquiriu nestes anos compensam isso.

"Não acredito que só porque passei da metade da minha carreira já não sou mais tão competitivo como antes. Sei que sou capaz de derrotar qualquer um ainda", completou o piloto da Williams.

Leia tudo sobre: massagpsmarcacorridasdisputaferrariwilliams