Família que acusa Gerdau de invasão fecha BR–040

Grupo acusa empresa de avançar sobre parte de suas terras

iG Minas Gerais | Queila Ariadne |

Manifestação. Protesto contra a Gerdau parou ontem trecho da BR–040, nos dois sentidos
Mariela Guimarães
Manifestação. Protesto contra a Gerdau parou ontem trecho da BR–040, nos dois sentidos

A família Santana Marques levou para a BR–040 a indignação de não poder entrar em parte da Fazenda Tapera do Lopes, em Itabirito, onde, embora os familiares tenham registro, a Gerdau também se apresenta como dona. Ontem, por volta das 14h, cerca de 20 pessoas pararam a rodovia para protestar. “É um absurdo a empresa não deixar a gente entrar no que é nosso”, afirma Zilda Santana.

De um lado, a família apresenta o registro das terras. De outro, a Gerdau afirma que tem toda a documentação e usa uma liminar de meados de 2012 para impedir o acesso da família. Entretanto, a liminar é em nome de um terceiro, com as iniciais A.C.L., que não tem posse ou propriedade das terras em questão.

A advogada Vânia Nonato explica que, o dia 25 de maio de 2012, foi feito um Boletim de Ocorrência dizendo que um grupo de pessoas impediu a entrada da Geosol, contratada pela Gerdau, na fazenda. Era a família Santana Marques. Vânia conta que, no mesmo dia, a Gerdau entrou com um pedido de manutenção de posse e pediu também restrição do acesso, mas não para a família, e sim para A.C.L., que estaria “turbando” a companhia.

“A empresa fez uma manobra. No dia 1º de junho, a Gerdau entrou com um aditamento e pediu para converter a ação para um pedido de reintegração, pedindo a posse de toda a área. Aí, ela já não usa o nome do A.C.L. e pede a proteção contra terceiros. No dia 5 de junho, a juiza de plantão, Myrna Fabiana Monteiro Souto, confirmou a liminar parcialmente e manteve a proibição apenas para o A.C.L., então, se a família quiser entrar, ela pode, porque não tem uma liminar que impeça especificamente a entrada deles”, explica a advogada.

Por meio de nota, a Gerdau informa “que possui toda a documentação relativa à comprovação de posse, propriedade e pagamento de impostos de seus terrenos localizados em Várzea do Lopes, região pertencente ao município de Itabirito (MG), onde mantém atividades de mineração de ferro. A Gerdau reitera que as áreas foram legalmente adquiridas de terceiros e que não existe sobreposição de posse. A empresa ressalta ainda que todas as suas operações são realizadas em terrenos próprios”.

 

Divergência

Documento. A advogada afirma que a Gerdau iniciou pesquisas sem autorização no KM 585, dentro da fazenda. A documentação apresentada, segundo Vânia, foi do KM 579, onde está a mina.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave