Copa atrapalha e vendas de veículos despencam 9,8%

Setor acredita que 2014 será 7,7% pior do que 2013, mesmo com IPI reduzido até dezembro

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

Montagem. Com vendas menores, setor reduziu a produção no ano e deu vários dias de férias coletivas para os funcionários
Nissan/Divulgação/15.4.2014
Montagem. Com vendas menores, setor reduziu a produção no ano e deu vários dias de férias coletivas para os funcionários

A Copa do Mundo prejudicou as vendas de veículos em junho, só que mais do que o previsto por especialistas e entidades ligadas ao setor automotivo, segundo avaliação da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que representa as concessionárias de veículos. “Achamos que haveria queda, mas não tão drástica. Até jogos de seleções africanas nos fazem ficar em frente à televisão”, disse o presidente da entidade, Flávio Meneghetti.

De acordo com ele, as perdas dos meses de junho e julho equivalem praticamente a um mês de trabalho perdido. Em junho, foram vendidos 250.964 automóveis e comerciais leves, recuo de 9,8% frente maio, quando os emplacamentos somaram 278.339. No sexto mês de 2014 foram comercializados 27.375 carros a menos que no mês anterior.

O balanço prévio da Fenabrave mostra também queda na comparação com junho do ano passado, o recuo foi de 17,24%. Em junho de 2013, os licenciamentos chegaram a 302.886 unidades. No primeiro semestre, foram registradas 1,58 milhão de unidades vendidas, ante 1,71 milhão do mesmo período do ano passado.

Liderança. No acumulado de 2014, a Fiat segue na liderança dos emplacamentos de automóveis e comerciais leves, com 342.203 unidades, o que correspondeu a 21,6% das vendas, seguida por Volkswagen, com 278.687 unidades. A General Motors ocupou a terceira posição, com 279.231. Em seguida, ficou a Ford 143.063 unidades emplacadas. O quinto lugar no ranking foi da Renault, com 110.057 unidades. Em junho, entre os modelos de automóveis, a Fiat também foi líder, com 14.081 unidades vendidas do Palio. A segunda posição foi ocupado pelo Gol, com 13.167 carros comercializados.

A previsão da Fenabrave é de queda de vendas no ano. Serão cerca de 3,3 milhões de veículos emplacados, volume 7,7% inferior ao de 2013. Para Meneghetti, a falta de crédito ainda é a maior responsável pelo desaquecimento do setor. “O governo deveria rever a legislação, que privilegia mais o inadimplente do que o bom pagador. Isso seria melhor do que adiar a alta do IPI”, diz.

Na avaliação do executivo, os bancos não querem mais correr riscos com uma oferta de crédito mais abundante. A prorrogação da manutenção dos índices atuais do IPI é um dos fatores que leva a Fenabrave a acreditar num crescimento de aproximadamente 5% no segundo semestre de 2014 sobre os resultados da primeira metade do ano. O setor vem contando com a redução do IPI desde 2008.

Para justificar o otimismo, Meneghetti também cita o maior número de dias úteis entre julho e dezembro, além dos lançamentos do período, são previstos 14 novos modelos até o fim do ano. (Com agências)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave