Romário garante que continuará a criticar o governo

iG Minas Gerais |

Rio de Janeiro. Doze dias depois de o PSB ter se aliado ao PT no Rio de Janeiro, o candidato ao Senado na coligação, ex-jogador e deputado Romário (PSB), ainda se vê obrigado a dar explicações aos eleitores revoltados. Romário fará campanha para o senador petista Lindbergh Farias ao governo do Estado e para o candidato de seu partido à Presidência, Eduardo Campos. Em publicação nas redes sociais ontem, o deputado prometeu continuar a criticar o governo de Dilma, apesar da aliança com os petistas. “Fiscalizar o governo está entre as minhas obrigações, não mudarei minha postura. Reforço: meu partido é o PSB. Meu candidato à Presidência é o Eduardo Campos”, escreveu ele, depois de explicar que “o PSB concluiu que a força que apresentava uma proposta de governo mais próxima dos ideais do partido era o Lindbergh Farias.”

Romário procurou explicar que não poderia ser candidato a senador sem uma coligação, pois teria muito pouco de tempo para propaganda na TV. A tentativa dele de acalmar o eleitorado não foi totalmente bem sucedida. Muitos internautas disseram que não votarão nele por ter se aliado ao PT.

Corrupção

Queixa. Romário reclamou dos ataques recebidos nas redes sociais. “Não é justo personificar em mim os problemas do sistema político. É mais injusto ainda me chamar de corrupto”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave