Convocado por parlamento, treinador desperta ira de deputados

Fabio Capello terá que explicar fracasso da seleção russa na Copa do Mundo

iG Minas Gerais | Folha Press |

Fabio Capello, Italian coach of Russian national soccer team, center, speaks to his players during a training session in Itu, Brazil, on Thursday, June 19, 2014. Russia will play next game against Belgium in group H of the 2014 soccer World Cup. (AP Photo/Ivan Sekretarev)
Associated Press
Fabio Capello, Italian coach of Russian national soccer team, center, speaks to his players during a training session in Itu, Brazil, on Thursday, June 19, 2014. Russia will play next game against Belgium in group H of the 2014 soccer World Cup. (AP Photo/Ivan Sekretarev)

 O técnico italiano da Rússia, Fabio Capello, foi convocado pelo parlamento do país para explicar a eliminação precoce da Copa do Mundo. A informação foi divulgada nesta quarta (2) pelo deputado Igor Ananskikh.

Capello terá que se apresentar aos parlamentares ao lado do presidente da Federação Russa, Nikolai Tolstykh, e do ministro do Esporte, Vitaly Mutko. Os três terão de explicar as razões para a campanha abaixo das expectativas e anunciar o planejamento para o futuro.

Contratado em 2012, Capello é o técnico de seleção mais bem pago do planeta, com salário estipulado em 12 milhões de euros (aproximadamente R$ 36 milhões). O contrato com a Federação Russa é válido até o fim da Copa de 2018, que será disputada no país.

Para o deputado Oleg Pakholkov, Capello deseja permanecer no cargo apenas pelo salário. "Penso que Capello sabia muito bem que ele não conquistaria nada com nosso time, mas decidiu que seria uma maneira fácil de ganhar dinheiro", reclamou.

"Olhe para o tamanho dos coreanos, até mesmo eles são maiores do que nós! E eu nem falo dos alemães e brasileiros, que são obviamente gigantes. Nossos garotos são metade do tamanho deles. Não sou contra jogadores pequenos, mas o time de Capello não consegue nem mesmo correr rapidamente. O que eles fazem na equipe?", disparou o parlamentar.

Mais exaltado estava Vladimir Zhirinovsky. "Deveríamos examinar seu trabalho e pedir para ele renunciar", afirmou. "É muito bom receber [milhões] de graça. O time perdeu e isso não afeta o seu salário de forma alguma. Ladrão", acusou.