Carros são incendiados e PM mantém reforço

Ataque seria represália a morte de rapaz de 26 anos após suposta tentativa de furar uma blitz

iG Minas Gerais | Evandro Teles |

Um dos veículos queimados após incêndio provocado por quatro homens
Nelson Batista
Um dos veículos queimados após incêndio provocado por quatro homens

Dois veículos de passeio foram destruídos e um ônibus de turismo teve o seu interior parcialmente danificado após serem incendiados por pelo menos quatro homens na noite de anteontem no bairro Jardim Teresópolis, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo informações da Polícia Militar, os ataques podem ter sido uma represália à morte de Ueberson Gomes de Moura, o Binha, de 26 anos, ocorrida na segunda-feira, 30. Na ocasião, a vítima teria desrespeitado uma blitz e foi atingido por tiros disparados por um policial militar.

“Após atendermos uma denúncia de que algumas pessoas estavam bloqueando a avenida Duque de Caxias com pneus, fomos avisados de que um grupo havia incendiado um veículo Corcel II, aparentemente abandonado, na rua Jequié, por volta das 20h. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas o veículo já havia sido consumido pelas chamas”, disse um dos militares que atenderam a ocorrência.

Ainda segundo o militar, às 21h a corporação recebeu outra chamada. “Dessa vez, fomos informados de que um ônibus de turismo e outro veículo de passeio tinham sido incendiados na rua das Flores. O outro Corcelo II foi destruído, e o ônibus, danificado”.

A Polícia Militar recebeu informações de que quatro suspeitos conhecidos como Pandora, Luquinha, Baianinho e Pão com Salame seriam os responsáveis pelos incêndios.

A Polícia Militar informou que iria manter reforço no efetivo no Teresópolis, em Betim, até o dia de hoje. Alguns moradores da região tinham avisado que amigos de Ueberson Gomes de Moura, o Binha, queriam que o comércio na região ficasse fechado por três dias como uma forma de homenageá-lo.

Segundo a corporação, o comércio foi aberto normalmente durante todo o dia de ontem e não houve mais nenhuma ocorrência relacionada a uma possível represália contra a morte de Binha.

Um investigador do 1º Distrito Policial do Teresópolis afirmou que o clima é de tranquilidade no bairro. “Está tudo dentro da normalidade. Ninguém foi impedido de abrir sua loja ou desempenhar qualquer atividade na região”.

O delegado de homicídios de Betim, Álvaro Huertas, disse que vai apurar a morte de Moura, cuja versão da Polícia Militar é contestada por familiares da vítima. “Por enquanto, só temos a informação de que a vítima reagiu a uma abordagem de trânsito”, concluiu.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave