CBF apresenta defesa de Rodrigo Paiva e decisão deve sair até quinta

Diretor de comunicação da confederação brasileira já está suspenso, por um jogo, por ter dado um soco no jogador chileno Pinilla

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Rodrigo Paiva (esq) teria agredido atacante chileno durante confusão entre Brasil e Chile, no Mineirão
Divulgação
Rodrigo Paiva (esq) teria agredido atacante chileno durante confusão entre Brasil e Chile, no Mineirão

A Fifa informou nesta quarta-feira (2) que já recebeu a defesa da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) sobre a agressão do diretor de comunicação da entidade, Rodrigo Paiva, ao atacante chileno Mauricio Pinilla.

A CBF tinha de apresentar até às 19h de terça-feira (1º) sua versão do caso, ocorrido durante a partida entre as duas seleções, no sábado (28).

A decisão do comitê disciplinar da Fifa sobre uma eventual punição ao assessor de imprensa e a outros jogadores ou membros de comissões técnicas envolvidos na briga deve sair ainda nesta quarta ou na quinta (3).

Paiva já não poderá trabalhar no jogo contra a Colômbia, sexta, pelas quartas de final da Copa do Mundo, porque foi expulso contra o Chile e terá de cumprir a suspensão automática de um jogo.

O diretor de comunicação teve um procedimento disciplinar aberto contra ele por ter dado um soco em Pinilla no intervalo do jogo, vencido nos pênaltis pelos brasileiros.

O envolvimento de outras pessoas na confusão, inclusive do atacante Fred, flagrado dando um tapa de leve na cabeça do zagueiro chileno Medel, ainda está sendo analisado.

A agressão do diretor de comunicação da CBF revoltou Pinilla. Via Twitter, o atacante chileno cobrou da Fifa uma punição exemplar ao assessor de imprensa.

"Uma partida para o Rodrigo Paiva? É uma vergonha dar só isso a esse delinquente disfarçado de terno", escreveu.

"Exijo da Fifa uma punição exemplar para Rodrigo Paiva, igual a meu colega Suárez!!! Isso é ainda mais grave! As imagens estão aí", completou.

O atacante uruguaio, citado pelo atacante chileno, pegou "[nove jogos oficiais de suspensão e foi proibido de praticar qualquer atividade ligada ao futebol por quatro meses por uma mordida em Chiellini".

Leia tudo sobre: cbfdefesapuniçãobrigasocopinillamineirãointervalofifaseleção brasileira