Petista defende André Vargas

iG Minas Gerais |

Brasília. Em depoimento ontem no Conselho de Ética da Câmara, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) negou ter se reunido em seu apartamento, em Brasília, para discutir assuntos do laboratório Labogen com o colega André Vargas (sem partido-PR) e o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, que apurou esquema de lavagem de dinheiro envolvendo ex-diretores da Petrobras.

Vaccarezza afirmou estar convencido de que Vargas, ex-petista, não fez lobby em favor do laboratório, controlado por Youssef.

Vaccarezza foi chamado para depor como testemunha no processo por quebra de decoro contra Vargas, que pode resultar na cassação do ex-petista. Ele disse conhecer Youssef, mas afirmou que não sabia que ele era doleiro e refutou ter se reunido com ele e com Vargas, como sugerem escutas da Polícia Federal (PF).

Também ontem, o juiz federal do Paraná Sérgio Moro cancelou o depoimento do doleiro no Conselho de Ética, que seria transmitido hoje por videoconferência.

Prisão. A PF prendeu ontem em São Paulo o executivo João Procópio Junqueira Pacheco de Almeida Prado, suposto colaborador de Youssef. No final de maio deste ano, a Suíça bloqueou US$ 5 milhões de uma conta ligada a Procópio, que está entre os 46 indiciados pela PF no âmbito da Lava Jato. Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa também estão entre os indiciados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave