Alzheimer: novo método de diagnóstico precoce

Marcadores biológicos vão ajudar a detectar o problema, diz pesquisa

iG Minas Gerais |

Londres, Reino Unido. O mal de Alzheimer poderá ser diagnosticado de forma precoce e confiável, graças a novos marcadores biológicos, segundo um estudo feito por um grupo internacional de neurologistas, publicado na revista britânica “The Lancet Neurology”.

Após nove anos de trabalho, os cientistas definiram e validaram novos critérios para diagnosticar a doença neurodegenerativa em plena expansão.

A doença começa geralmente com transtornos de memória, seguidos de problemas de orientação espacial e temporal, transtornos de comportamento e perda de autonomia.

Após analisar os estudos publicados sobre o tema, os cientistas chegaram a um consenso de diagnóstico do Alzheimer, com dois perfis clínicos específicos.

Os casos típicos (80% a 85% dos casos) se caracterizam por problemas de memória episódica de longo prazo (lembrança voluntária de fatos), enquanto nos casos atípicos (15% a 20% dos casos) são encontrados transtornos da memória verbal ou de comportamento.

Cada um desses perfis, segundo os cientistas, deve ser confirmado por pelo menos um marcador biológico. Trata-se de uma punção lombar que mostra o nível anormal de proteínas cerebrais no líquido cefalorraquidiano ou de uma tomografia por emissão de pósitrons (TEP) do cérebro, um exame de imagem que permite visualizar a atividade dos tecidos.

Flash

Mundo. O Alzheimer afeta 40 milhões de pessoas, e previsões indicam que, em 2050, o número terá triplicado.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave