Parte inferior de viaduto vira estacionamento

Apesar de ser proibida, a prática ocorre há oito anos, sem ocasionar multas

iG Minas Gerais | Bárbara Ferreira |

Errado. Vão entre um dos viadutos da Lagoinha e avenida (à direita) é usado como estacionamento
FOTO: GUSTAVO BAXTER / O TEMPO
Errado. Vão entre um dos viadutos da Lagoinha e avenida (à direita) é usado como estacionamento

O vão entre um dos viadutos do Complexo da Lagoinha e a avenida do Contorno, no centro de Belo Horizonte, é constantemente usado como estacionamento, apesar de a poucos metros da estrutura haver uma placa de sinalização que proíbe a prática. O ponto é comandado pelo flanelinha Dirceu Batista Ferreira, 42, que fica ali todos os dias da semana há oito anos e afirma que seus clientes nunca foram multados. O local, que comporta aproximadamente seis veículos, é uma brecha encontrada por condutores e flanelinhas para a falta de vagas e de estacionamentos com preços acessíveis no hipercentro da capital. As poucas vagas são muito disputadas, apesar de a rotatividade de carros não ser muito grande. A qualquer momento do dia, a lotação máxima é atingida, e alguns carros chegam a estacionar em cima das calçadas. O flanelinha que coordena o ponto informou que sempre orienta os motoristas a pararem embaixo do viaduto, onde a fiscalização não atua. “Alguns carros estacionam fora daqui, em locais onde atrapalham o fluxo. Eu sempre aviso que ali eles podem ser multados”, comenta Ferreira. O flanelinha alega ter sido informado de que há a possibilidade de um meio-fio ser instalado embaixo do viaduto, barrando o estacionamento dos carros no trecho. “Vou perder o meu ponto”, prevê. Resposta. A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) confirmou, por meio de assessoria de imprensa, que é proibido estacionar no local, mas informou que é permitida a parada para embarque e desembarque. No entanto, a autarquia negou que exista qualquer projeto para instalação de meios-fios no local e reiterou que, mesmo sem as barreiras, não é permitido o estacionamento no trecho. A fiscalização é responsabilidade da Polícia Militar (PM) e da Guarda Municipal, responsáveis por emitir multas e aplicar penalidades aos motoristas que descumprem as regras de trânsito. A assessoria de imprensa da guarda informou que vai enviar uma equipe ao local, para averiguar as supostas irregularidades. Até o fechamento desta edição, o Batalhão de Trânsito da PM não havia respondido os questionamentos da reportagem. Enquanto esteve no local, um intervalo de aproximadamente 20 minutos, a reportagem de O TEMPO presenciou dois carros estacionados nas proximidades da área de atuação de Ferreira. Um deles usava parte da calçada, o que configura infração grave, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro. A entrada e a saída de veículos no local – onde é proibido estacionar – chega a causar retenções no trânsito, intenso em alguns períodos do dia.

Penalidades Média. São infrações médias estacionar em porta de garagem, em locais e em horários proibidos pela sinalização, em tampa de registro de água e de galeria subterrânea, em esquina ou a menos de 5 m da mesma, junto ou sobre hidrante, e na contramão. Impedir movimentação de outro veículo também é infração média. A multa prevista para todos os casos é de R$ 85,13. Grave. São infrações graves estacionar na calçada, sobre faixa de pedestre, em fila dupla, pontes, túneis, viadutos ou ciclovias, canteiros e divisores de pista. A multa é de R$ 127,69.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave