Bolsa fecha no zero a zero pelo 2º dia; Petrobras ofusca alta da Vale

As ações da produtora de bebidas Ambev subiram 1,71% nesta terça (a R$ 16,03 cada); produção brasileira de cerveja subiu 6,1% em junho sobre um ano antes

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O principal índice da Bolsa brasileira fechou esta terça-feira (1º) no zero a zero pelo segundo dia, com o bom desempenho das ações da Ambev e da Vale sendo ofuscado pela queda da Petrobras. O Ibovespa teve ligeira alta de 0,01%, para 53.171 pontos.

As ações da produtora de bebidas Ambev subiram 1,71% nesta terça (a R$ 16,03 cada). A produção brasileira de cerveja subiu 6,1% em junho sobre um ano antes, mas recuou 6,2% sobre maio, a 1,05 bilhão de litros, em mês marcado pelo início da Copa do Mundo no país. Os dados são do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), divulgados pela Receita Federal.

Já os papéis preferenciais (sem direito a voto) da mineradora Vale fecharam em alta de 1,40% (a R$ 29,65 cada), depois de dados terem mostrado o fortalecimento da indústria da China --maior destino de suas exportações.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) oficial da Agência Nacional de Estatísticas da China e o mesmo indicador calculado pelo HSBC/Markit mostraram que a atividade industrial da China atingiu máximas em vários meses em junho. O PMI oficial atingiu seu maior nível em seis meses, de 51, em linha com as expectativas do mercado e ante 50,8 em maio.

"Estamos nos primeiros dias úteis do mês. A maior parte dos fundos está recompondo suas carteiras, o que tende a trazer um viés positivo ao mercado de ações doméstico. Mas a questão eleitoral deve continuar pautando o índice até outubro.

Nas últimas pesquisas, notou-se uma volatilidade maior", diz Alexandre Wolwacz, diretor da escola de investimentos Leandro & Stormer.

De acordo com o site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), está previsto para esta semana um levantamento do Datafolha sobre a eleição presidencial de outubro.

A avaliação é que as ações de estatais devem continuar sendo as mais afetadas na corrida pelo Planalto: esses papéis têm subido quando a presidente Dilma Rousseff (PT) tem queda nas pesquisas, porque, dizem analistas, os investidores não estão satisfeitos com o nível de intervencionismo do governo na gestão dessas companhias.

"Não significa que o mercado esteja dando preferência a outro candidato, mas, sim, que ele quer mudança na postura do governo. A ingerência governamental está atingindo áreas importantes, como o setor elétrico e o de petróleo e gás. A gestão das estatais não agrada e o intervencionismo deliberado do governo também. Se houver mudança nessa postura, o mercado tende a se acalmar", completa Wolwacz.

As ações preferenciais da Petrobras perderam 0,58% (a R$ 17,19 cada), enquanto os papéis do Banco do Brasil mostraram ganho de 0,36% (a R$ 24,94 cada). Já as ações ordinárias (com direito a voto) e preferenciais da Eletrobras tiveram baixas de mais de 3%.

A operadora Oi ficou entre as maiores perdas do Ibovespa. As ações da Portugal Telecom, com quem a operadora brasileira está em processo de fusão, chegaram a cair 10% neste pregão. A Portugal Telecom era pressionada pelos potenciais efeitos nocivos do seu investimento na dívida do Grupo Espírito Santo, segundo operadores.

CÂMBIO

No câmbio, o dólar à vista, referência no mercado financeiro, encerrou a terça-feira com desvalorização de 0,30% sobre o real, cotado em R$ 2,203 na venda. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, cedeu 0,27%, a R$ 2,205.

O Banco Central deu continuidade ao seu programa de intervenções diárias no câmbio, através do leilão de 4 mil contratos de swap (operação que equivale a uma venda futura de dólares), pelo valor total de US$ 198,8 milhões.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave