Catadores transformam lixo em sonhos na Copa

Documentário mostra quem são os trabalhadores responsáveis por manter a cidade limpa durante a competição

iG Minas Gerais | Ricardo Corrêa |

undefined

No dia 14 de junho de 2014, o Brasil conheceu Maria Sueli dos Santos, uma catadora de material reciclável que deu um exemplo de sensibilidade e cidadania ao avaliar a realização da Copa do Mundo no país. Após o depoimento à reportagem do portal O TEMPO, a moradora de Vespasiano ficou famosa, chegou a ser exaltada até pelo ex-presidente Lula, e chamou a atenção para o trabalho realizado por dezenas de catadores na áreas Fifa do Mineirão e da Fan Fest em Belo Horizonte.

Depois de anos optando por empresas terceirizadas para realizar o serviço, pela primeira vez na história a Prefeitura da capital mineira aceitou contratar as cooperativas de catadores para realizar o trabalho. O resultado foi fantástico. Um catador nunca deixa passar uma lata sequer para o aterro, pois sabe que a perda significa dinheiro a menos no bolso.

Enquanto o Brasil torce e se recupera das emoções de cada jogo, lá estão os catadores reunidos em um galpão na região da Pampulha para triar, compactar e preparar para a venda cada resíduo que o torcedor abandona nas áreas de partidas. Todo o resultado apurado está sendo dividido entre dezenas de membros de várias cooperativas unidas neste trabalho. Foi para revelar esse lado da Copa que a reportagem passou uma manhã com eles, no dia seguinte à partida entre Bélgica e Argélia, no Mineirão.

Em meio ao trabalho concentrado e exaustivo, eles realçaram suas conquistas, seus sonhos, e dão um caminhão de exemplos para quem desanima, espera que o trabalho apareça e não busca oportunidades de fazer da própria vida algo diferente e especial.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave