Miguel Herrera deixa em aberto continuidade na seleção mexicana

Treinador arrumou a casa e comandou uma boa campanha do México na Copa do Mundo, mas disse que ainda precisa ter o trabalho avaliado

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

undefined

A Federação Mexicana de Futebol custou para encontrar um técnico para sua seleção e testou quatro profissionais no período pré-Copa, até Miguel Herrera encaixar como uma luva no time. Apesar do pouco tempo de trabalho, ele conseguiu a vaga para o Mundial e fez seus comandados apresentar um bom futebol no torneio, mas agora, não sabe se terá continuidade.

Após voltar ao México, no fim da noite dessa segunda-feira, o treinador deu entrevista coletiva e avaliou o trabalho feito à frente da seleção, deixando sua permanência em aberto. Herrera ressaltou que, antes de definir se segue como técnico da equipe, terá de avaliar tudo o que foi feito até aqui. Para ele, há um balanço prévio muito positivo, mas sem poder minimizar a falha na busca pelo objetivo principal dentro da Copa do Mundo.

“Há muitas coisas para resolver antes de pensar na continuidade. Quando um torneio acaba, temos que apresentar os resultados, dar nosso parecer, e aí sim virão os dias para pensar bem no que acontecerá a seguir. Não há pressa e, obviamente, a direção da seleção tem o poder para decidir o que vão fazer sobre isso. Vamos entregar nosso relatório. Estamos muito contentes e orgulhosos pela garra dos jogadores. Será um relatório cheio de coisas boas, mas, infelizmente, teremos que colocar no final que o objetivo desejado não foi alcançado”, avaliou.

Miguel Herrera assumiu a seleção mexicana em outubro de 2013, com o time em crise, vindo de eliminação na fase de grupos da Copa das Confederações e com apenas o quarto lugar nas Eliminatórias da Copa do Mundo, tendo que disputar a repescagem contra a Nova Zelândia. O treinador, entretanto, ajustou a equipe e conseguiu a vaga com duas goleadas sobre os neozelandeses, de 5 a 1, em casa, e depois 4 a 2, no país da Oceania.

Neste Mundial, ele conseguiu manter o bom nível da equipe, classificando-a em segundo lugar do Grupo A, com os mesmos pontos do Brasil (7), e uma campanha invicta, com duas vitórias e um empate. O México marcou quatro gols e levou apenas um naquela etapa. Nas oitavas de final, pegou a Holanda e abriu o placar, mas levou a virada com dois gols nos últimos minutos do jogo, um de pênalti.

Leia tudo sobre: Copa do Mundomiguel herreratecnicoseleção mexicanamexico