Geração belga quer provar que é mesmo de ouro

iG Minas Gerais |

Jogadores da Bélgica podem ter a chance de “desencantar” hoje
Matt Dunham/ap photo
Jogadores da Bélgica podem ter a chance de “desencantar” hoje

SÃO PAULO. Com 100% de aproveitamento na fas e de grupos, a Bélgica chega embalada às oitavas de final da Copa do Mundo e busca manter seu bom momento diante dos Estados Unidos, nesta terça, às 17h, na Fonte Nova, em Salvador. Válido pelas oitavas de final, o duelo definirá o adversário do confronto entre Argentina e Suíça.

Com placares magros na primeira fase, a geração de ouro belga ainda não brilhou na Copa, mas confirmou o favoritismo sobre seus rivais no grupo H vencendo as três partidas. O time teve bastante trabalho para derrotar a Argélia na estreia por 2 a 1. A classificação antecipada veio na segunda rodada, com a vitória de 1 a 0 sobre a Rússia. Repetindo o placar, o time venceu a Coreia do Sul e confirmou a liderança de seu grupo. Na primeira fase, o time belga mudou a escalação nas três partidas. Agora, há também dúvidas na defesa. Os zagueiros Kompany e Vermaelen estão no departamento médico e devem dar lugar para Van Buyten e Lombaerts. Os americanos chegaram à Copa sem tantas expectativas, já que caíram em um grupo complicado, com Alemanha, Portugal e Gana. O time, porém, surpreendeu e ficou em segundo lugar no grupo G. Na estreia contra os africanos, venceram por 2 a 1. Na segunda rodada, estiveram muito perto de garantir a classificação contra Portugal, mas permitiram o empate em 2 a 2 nos acréscimos. A vaga veio na última rodada. Mesmo com a derrota de 1 a 0 para os alemães, os americanos conseguiram a classificação devido ao saldo de gols. Para o duelo contra a Bélgica, o técnico Jürgen Klinsmann deve contar com a volta do atacante Altidore e do volante Jermaine Jones.

‘Pragmatismo futebolístico’ Antes do começo da Copa do Mundo, a seleção belga era festejada pelo bom futebol, e os jogadores ficaram conhecidos como a “geração de ouro” da Bélgica. No entanto, após três jogos no Mundial e um futebol bem longe do que era esperado, muita gente já questiona se a safra belga é mesmo de ouro, apesar dos 100% de aproveitamento no Mundial até aqui. Questionado sobre o desempenho abaixo do esperado, o técnico Marc Wilmots foi pragmático: “O que importa para mim é vencer, independentemente do estilo de jogo. Estamos aqui para jogar contra as melhores seleções do mundo, e paga-se caro pelos erros”, afirmou o treinador da seleção belga. Wilmots também mostrou que quer manter seus atletas bem concentrados. Nessa segunda, após o primeiro treino em Salvador, o comandante ordenou uma mudança de hotel, indo para um local mais reservado do que a hospedagem anterior.

Para Klinsmann, o céu é o limite Na coletiva dessa segunda, o técnico dos Estados Unidos, Jürgen Klinsmann, mostrou que está otimista com a disputa das oitavas de final da Copa. “Estamos muito empolgados de jogar contra a Bélgica. Estamos no mata-mata, que tem uma dinâmica completamente diferente da fase de grupos, e isso nos motiva demais. Passamos por um grupo muito difícil e estamos famintos por resultados. Temos muito respeito, mas não temos medo dos belgas. Acho que vai ser um jogo bastante interessante. Esta é uma oportunidade incrível, e ninguém vai querer esperar outros quatro anos para chegar às quartas. Queremos isso agora. Estamos muito ansiosos para olhar os belgas nos olhos e seguir. O céu é o limite, e queremos um desafio após o outro”, disse. Outro otimista é o goleiro Tim Howard: “Sobrevivemos ao chamado ‘grupo da morte’”, afirmou. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave