Alemanha sofre, mas vence Argélia na prorrogação

Duelo em Porto Alegre foi dramático e rendeu fortes momentos de emoção para as duas seleções; agora, time de Joachim Low encara a França

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

AP Photo
undefined

Não está fácil para ninguém, nem para a conceituada Alemanha. Em duelo tenso, com direito a sufoco africano, os tricampeões mundiais precisaram da prorrogação, no Beira-Rio, em Porto Alegre, para superar a Argélia nas oitavas de final da Copa do Mundo. Vitória suada, um 2 a 1 vendido caro pelos argelinos.

Obstáculo superado, o time de Joachim Löw têm, agora, o confronto europeu contra a também campeã França, pelas quartas de final da competição. Um dos dois pode ser o adversário do Brasil na semifinal de Belo Horizonte, caso o time canarinho passe a Colômbia, na sexta-feira.

Para quem pensou que a parada seria fácil, se enganou. O ataque argelino era rápido e atrevido. No primeiro tempo, foi um lance de perigo atrás do outro. Por três vezes, o goleiro Neuer precisou deixar a área para pôr fim ao ataque, Slimani teve gol anulado, Ghoulam perdeu cara a cara e um desvio no caminho quase traiu o camisa 1 alemão. Que sufoco!

Erros de passe e desatenção. Teria a elogiada Alemanha desaprendido? O time alemão continuava com mais posse de bola e arriscava de fora da área sem medo. O goleiro Rais segurou – ou rebateu – tudo o que pôde.

Para o começo da segunda etapa, a emoção se desenhou bem mais na condição de lá e cá, com ataques e contra-ataques. O time alemão tentava impor sua qualidade técnica o que, no entanto, não esfriava o brio africano.

Com o passar do tempo, a tensão no Beira-Rio ficava mais evidente. Por isso, o medo de errar atrapalhava a vontade de acertar. Na blitze alemã, Rais, eleito o melhor em campo, salvou incrivelmente a cabeçada de Müller, que dois minuto depois perderia outra grande chance. A pressão da Alemanha se manteve intensa no fim do tempo normal, mas a Argélia conseguiu se segurar bravamente.

Mas bastou começar a prorrogação para a fortaleza argelina se desmanchar. Schurrle, meio de letra, meio que sem querer, abriu o marcador . Daí por diante, as alemães impuseram toda a sua superioridade, criam chances de ampliar. A Argélia não tinha alternativa a não ser atacar, mas não reuniu forçar para isso.

Com o adversário aparentemente dominado, a Alemanha conduziu o jogo e marcou o segundo com Özil. A partida ainda teria tempo para Djabou descontar. Tarde demais para a destemida equipe africana, que deixa o Brasil com o sentimento de dever cumprido.

Alemanha 2 x 1 Argélia

Motivo: Oitavas de final da Copa do Mundo Brasil 2014 Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre Árbitro: Sandra Meira Ricci (BRA) Gols: Schurrle e Özil (ALE); Djabou (ALG) Cartões amarelos: Halliche (ALG)  Público: 43.063

Alemanha

Neuer; Mustafi (Khedira), Mertesacke, Jérôme Boateng e Höwedes; Lahm, Schweinsteiger (Kramer), Toni Kroos, Özil e Götze (Schurrle); Thomas Müller - Técnico: Joachim Löw

Argélia

M'Bolhi; Mand, Mostefa, Belkalem e Halliche (Bouguerra); Ghoulam, Lacen, Feghouli e Taïder (Brahimi); Soudani (Djabou) e Slimani - Técnico: Vahid Halilhodzic