Mulheres são presas suspeitas de participar de esquartejamento

Álvaro Pedroso, de 55 anos, desapareceu no dia 22 de março. No dia seguinte, tronco, pernas e braços de um corpo não identificado foram localizados nas imediações do cemitério da Consolação

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Três mulheres foram presas suspeitas de envolvimento no esquartejamento do motorista de ônibus Álvaro Pedroso, de 55 anos, na região central de São Paulo, em março deste ano.

A prisão das suspeitas foi confirmada por policiais do 89º Distrito Policial (Portal do Morumbi), para onde elas foram transferidas após a prisão. Os policiais não souberam informar a data nem o local onde as mulheres foram presas.

De acordo com o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), elas confessaram a participação no crime.

O motorista desapareceu no dia 22 de março. No dia seguinte, tronco, pernas e braços de um corpo não identificado foram localizados nas imediações do cemitério da Consolação. Cinco dias depois, uma cabeça humana foi encontrada ao lado de um espelho d'água na praça da Sé, no centro de São Paulo.

Parentes de Pedroso procuraram o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), responsável pelas investigações sobre o caso do corpo esquartejado.

Segundo o DHPP, a família de Pedroso reconheceu como sendo dele o retrato digital do rosto da vítima. A imagem foi reconstruída com base em uma tomografia do crânio e em fotos tiradas da cabeça da vítima, encontrada no dia 27 de março.

A Polícia Científica colheu material genético dos familiares de Pedroso. Em abril, um exame de DNA feito por peritos do Instituto Médico Legal concluiu que o material genético dos parentes do motorista é compatível com o da vítima esquartejada.

A dona de casa Maria Eli do Nascimento Pedroso, de 50 anos, disse à reportagem que tinha plena convicção de que o corpo esquartejado era de seu marido. "Sempre tive essa certeza. Ele não costumava sair e ficar fora sem avisar", afirmou.

A família de Pedroso sabe que ele saiu de casa às 15h30 do último dia 22 de março para se encontrar com uma amante, que é prostituta.

Ela é suspeita de encomendar a morte de Pedroso. Seu retrato falado já está no DHPP. A imagem foi feita com a ajuda de um taxista que a levou para um hotel na região central um dia depois de a vítima desaparecer.

A amante do motorista foi filmada por câmeras de segurança nesse mesmo dia, ao lado de duas amigas, empurrando um carrinho de feira.

Segundo o DHPP, o carrinho é igual ao usado pelo morador de rua João Eduardo Jerônimo. Ele foi preso no dia 4 de abril sob a suspeita de ter recebido R$ 30 de um homem em um carro para espalhar sacos plásticos. Jerônimo disse à polícia que não sabia que dentro dos sacos havia partes do corpo de Pedroso.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave