Não é Deus que nos salva, e menos ainda o sangue de Jesus

iG Minas Gerais |

DUKE
undefined
Podemos dizer que Deus nos salva no sentido de que Ele é a causa primeira de todas as coisas ou o fundamento de tudo e até das trevas. “Eu formo a luz, e crio as trevas; faço a paz, e crio o mal, eu o Senhor faço todas estas coisas” (Isaías 45:7). E não poderia haver outras causas das coisas, se não houvesse a primeira causa. Ela é como a lei da inércia da física, segundo a qual os corpos permanecem em repouso se não houver uma ação inicial que os movimente.  As religiões recebem influências umas das outras. E o judaísmo e o cristianismo, inclusive a Bíblia, receberam-nas das religiões chamadas “pagãs” e “mitológicas”, principalmente das do Oriente Médio.  Os espíritos humanos são deuses na mitologia e na Bíblia (Salmo 82:6; 1 Samuel 28:13; e João 10:34). Assim, todos nós e também Jesus, o dirigente da Terra, somos deuses, sim, mas relativos. O Deus verdadeiro e único, que Jesus disse ser nosso Pai e Dele, é Deus absoluto, e é aquele que os orientais dizem que é tão grandioso, que não podemos dizer nada sobre Ele.  E os orientais são mesmo politeístas? Eles creem em muitos deuses relativos, para nós, os espíritos de Jesus e dos demais seres humanos, mas num Deus único e absoluto: Brâman. Sua crença é semelhante à nossa: “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1 Timóteo 2:5); e “Todavia, para nós há só um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também por ele” (1 Coríntios 8:6).  Como os sacrifícios feitos pelos seguidores das religiões do Oriente Médio eram agradáveis aos deuses relativos (espíritos humanos, mas atrasados), esses sacrifícios se tornaram uma prática comum daquelas religiões, pois seus adeptos pensavam que tais deuses fossem do bem ou evoluídos. E essa crença influenciou o judaísmo, o cristianismo e a própria Bíblia.  E lembremo-nos de que o Deus único e verdadeiro, o Pai de Jesus e de todos nós, é também o Pai dos espíritos (Hebreus 12:9). Ele não aprecia sacrifícios, menos ainda de sangue! Aliás, para o que seria útil a Deus o sangue derramado, antes de animais e depois de Jesus? O que Deus iria fazer com esse sangue todo lá no mundo espiritual? E o de Jesus, então? Será que Deus, gostando tanto desse sangue, iria colocá-lo numa câmara frigorífica para conservá-lo? Deuses ou espíritos atrasados vampiros gostam de sangue. E uma das piores ideias que poderíamos fazer de Deus é a de que Ele seja também um espírito vampiro! A passagem pela porta estreita simboliza a nossa salvação ou libertação. E se é pelo esforço nosso que passaremos por ela, não é Deus, pois, e menos ainda o sangue de Jesus que nos salvam, mas a vivência do evangelho. Ademais, Temos livre-arbítrio para passarmos por ela quando quisermos. E Deus respeita religiosamente o nosso livre-arbítrio, pois Deus é perfeito!  Ensinou Jesus que Deus quer verdadeiros adoradores, ou seja, aqueles que o adoram em Espírito e verdade (João 4:24). Oseias profetizou: “Pois misericórdia quero, e não sacrifício...” (Oseias 6:6). E, realmente, o Mestre dos mestres o confirmou (Mateus 9:13): “Misericórdia quero, e não holocaustos...”.  Minha palestra na Fraternidade Francisco de Assis, em Vila Prudente, São Paulo, em 13.6.2014, foi transmitida pela TV Fraternidade: www.tvfraternidade.com.br, e poderá ser assistida pelo www.fraternidadeassis.com.br ou pela aquisição do DVD.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave